Dia 13 (03/01/15) Copacabana/Bolívia –> Puno/Peru

Hoje foi o dia de partir para o Peru e ultrapassar mais uma fronteira. A viagem foi com percurso de baixa quilometragem e portanto, mais tranquila.

Tomamos café da manhã arrumamos as nossas bagagens, carregamos o carro e fomos passear na zona mais central de Copacabana para conhecer a principal praça da cidade e a Basílica Nossa Senhora de Copacabana. Essa igreja é muito bonita e certamente vale visitar. Passeamos no seu entorno, onde está localizado o mercado público além de várias tendas vendendo alimentos, roupas, calçados, artesanatos e etc. Na basílica é onde se encontra a imagem de Nossa Senhora de Copacabana, a padroeira da Bolívia. A igreja foi construída no ano de 1550 em estilo renascentista, sendo reconstruída entre 1610 e 1651. Fizemos uma rápida visita no seu interior, no entanto não é permitido tirar fotografias na área interna da igreja.

DCIM101GOPRO

Basílica Nossa Senhora de Copacabana

DCIM101GOPRO

Olha o algodão doce!!!

DSC_9817

Basílica Nossa Senhora de Copacabana

DSC_9813

Povo na Basílica Nossa Senhora de Copacabana

DSC_9816

Porta principal da basília

DSC_9788

Praça principal de Copacabana

DSC_9792

Praça principal de Copacabana

DSC_9797

Praça principal de Copacabana

DSC_9806

Uma pose para a foto!

Algo que adoramos fazer na Bolívia é passear pelo mercado público. Gostamos de prestar atenção na cultura, nos costumes, nos alimentos, nas pessoas, no colorido e etc. Algumas bancas são como as prateleiras dos supermercados com alimentos industrializados, produtos de limpeza, higiene, queijos, embutidos e carnes frescas. Sim, todos esses produtos meio que misturados sem ter uma separação de acordo com o tipo de produto. Em compensação as bancas de frutas e verduras, no geral, são bem organizadas e bonitas pelo coloridos desses alimentos. Em relação as carnes, algo que nos chama muito atenção é o fato de ficarem expostas nas bancas sem refrigeração. É difícil se imaginar adquirindo um franguinho fresco por lá…

Pelo que vimos pelas estradas, no primeiro dia do ano, é costume decorar os carro com faixas, fitas entre outros adereços coloridos em comemoração ao ano que se inicia. Nas ruas há bancas específicas lindas e super coloridas que vendem muitos acessórios para esse e outros fins. Sim, a Bolivia é um país cheio de cores. O colorido esta presente nas roupas, no artesanato, nas decorações, nos alimentos, nas paisagens… É algo muito bonito e bem característico desse país.

DSC_9715

Ruas de Copacabana

DSC_9718

Ruas de Copacabana

DSC_9791

Bancas com roupas, acessórios, artesanatos, etc

DSC_9720

Banca com ferragens

DSC_9723

Folhas de coca

DSC_9752

Amendoins, frutas secas, pipocas doces (pochoclos) entre outros alimentos

DSC_9749

A Isabela clarinha, loirinha sempre fazendo sucesso entre os bolivianos. Ela não estranha ninguém e eles adoram! Querem ver, pegar no colo, tirar foto…! O Felipe já é mais arredio e não dá muito papo!

DSC_9740

Bancas na parte externa do mercado público

DSC_9731

Um açougue

DSC_9774

Interior do mercado público

DSC_9781

Tudo junto e misturado

DSC_9775

O colorido das, frutas, verduras e vegetais

DSC_9772

Olha a cara do porquinho…

DSC_9741

Banca da parte externa do mercado

DSC_9766

Banca de frutas, vegetais e verduras

DSC_9765

Bancas com industrilializados, embutidos e carne fresca…

DSC_9784

Que tal?!

DSC_9773

Vai um frango??!

DSC_9753

Banca com flores em frente ao mercado

DSC_9759

Trabalhando

DSC_9824

Que tal um chapéu?

DSC_9822

Uma das principais ruas de Copacabana com o Lago Titicaca ao fundo

DSC_9667

Bancas com roupas, acessórios, artesanatos, etc. O preço muito bom!

DSC_9820

Banca com acessórios coloridos diversos para comemorar a entrada do novo ano

DSC_9819

Banca com acessórios coloridos diversos para comemorar a entrada do novo ano

Logo em seguida que saímos de Copacabana já estávamos na aduana. A fronteira fica entre as cidades de Yunguyo (Bolívia) e Juli (Peru). O procedimento para saída da Bolívia foi rápido. Apenas apresentamos as Tarjetas Migratorias (e uma cópia das mesmas, que pode ser feita no local) na Polícia Internacional e entregamos a ¨Declaracion Jurada¨ (que é a permissão para trafegar de carro estrangeiro pela Bolívia) na Aduana e fomos liberados para seguir em frente. Demoramos uns 30 minutos para fazer isto.

A uns 300 metros a frente fica a aduana peruana. Na Polícia Internacional fizemos as Tarjetas Migratórias e fomos então a aduana (SUNAT – localizada do outro lado da rua) para fazer a documentação do carro. Na aduana somente apresentamos o RG e o CRLV do veículo. Fizeram então o documento chamado ¨Certificado de Internacion Temporal¨, autorizando a entrarmos com o carro estrangeiro no país. Levamos mais uns 30 minutos para fazermos este procedimento. Não haviam outros carros para fazer a entrada no Peru, por isso o atendimento foi rápido. Fomos muito bem atendidos durante todos os procedimentos, o que já nos passou uma impressão positiva sobre o Peru. Eles não comentaram nada sobre a SOAT, que é o seguro obrigatório para acidentes de trânsito. Resolvemos também não perguntar nada, pois pretendíamos contratá-lo somente em Puno.

Pegamos um pouco de chuva no caminho e até estávamos torcendo para chegar com chuva na cidade para minimizar as chances de ter policia na estrada, uma vez que tínhamos sido alertados de que a polícia de Puno ia procurar “pelo em ovo” para ter motivo para cobrar propina.

Logo na entrada de Puno há uma barreira para fiscalização de entrada de mercadorias no Peru, feito pela SUNAT. Nesse local o policial nem nos parou. Um pouco mais adiante fomos parados pela Polícia de Trânsito peruana. Pediram a carteira de motorista, documento do carro e a bendita SOAT. A SOAT, no Peru, é equivalente ao DPVAT no Brasil: todos os veículo precisam contratar este seguro.

Como não tínhamos, mostramos o DPVAT, a carta verde e depois o cartão da seguradora MAPFRE (obviamente um de cada vez, para tentar convencer o policial). Os dois primeiros o policial não aceitou, pois disse que não havia nenhuma referência ao Peru. Dissemos para ele que iríamos contratar a SOAT em Puno, mas ele disse que para circular pelo país nós deveríamos ter contratado o seguro na fronteira. Tentamos argumentar que não conseguimos contratar a SOAT na fronteira (na verdade nem tentamos), mas ele insistia que não poderíamos ter seguindo em frente sem o mesmo. O policial não estava com ares de estar querendo propina, e nós muito menos de querer pagar. Então mostramos o cartão da MAPFRE, que é a seguradora de nosso carro. Dissemos para ele que o seguro era internacional e que valia no Peru (mesmo não sendo verdade, pois o seguro somente abrange o Mercosul). Como a MAPFRE está presente no Peru, o policial deu uma olhada rápida no cartão e, não querendo complicar mais, nos mandou seguir em frente. Foi um alívio. Sorte que ele não percebeu que o cartão era de uns 3 anos atrás. Então vai a dica: ande sempre com o cartão da seguradora. Em nossa terceira viagem, na Argentina, um policial também nos pediu um seguro e, mostrando esse mesmo cartão, fomos liberados rapidamente.

Nosso roteiro de hoje foi: Copacabana->(RN2)->Khasani->[aduana Peru]->Yunguyo->(PU-130)->(PE-3S)->Juli->Ilave->Puno. A distância percorrida foi de 147km. As estradas estavam asfaltadas e em bom estado de conservação.

DSC_9826

Saindo de Copacabana

DSC_9827

Copacabana

IMG_6093

Fila na migração

IMG_6094

Migração

IMG_6095

Aduana

DSC_9832

Pegando a estrada rumo a Puno

DSC_9837

Lago Titicaca

DSC_9843

Lhamas

IMG_6099

Paisagem a caminho de Puno

DCIM101GOPRO

A caminho de Puno

DSC_9829

Linda paisagem chegando a Puno

DCIM101GOPRO

Margeando o Lago Titicaca

DCIM101GOPRO

Carregamento

DSC_9846

Primeiro abastecimento no Peru

IMG_6096

Chegando a Puno

Estava chovendo bastante e logo que chegamos fomos direto para o hotel, que era localizado na zona central da cidade. Ficamos hospedados no Hotel Casona Colon Inn. O hotel é muito bom, confortável e bem localizado. No entanto, a garagem não ficava junto ao hotel, o que dificulta bastante. Mesmo que não tivéssemos a intenção de usar o carro durante a nossa estadia é ruim no caso de precisarmos alguma coisa que estivesse no carro. Por isso, é sempre melhor optar por hospedagens que o estacionamento fique no mesmo local ou pelo menos bem próximo, ainda mais quando se viaja com crianças, pois sempre estamos precisando de alguma coisa ou outra que está no carro.

Além disso, enquanto o Alexandre foi levar o carro lembrei que havíamos deixado a GoPro instalada no lado de fora do carro. Nossa, foram alguns minutos de pânico, pois eu não conseguia me comunicar com ele pelo celular. Fui até a recepção e perguntei se havia telefone no estacionamento. Falaram que tinha mas, também não conseguiram comunicação. Foram instantes de pavor, pensando que alguém já pudesse ter pego a nossa câmera ou que o Alexandre não visse e deixasse ela por fora do carro lá no estacionamento. Me apavorei, pois em toda viagem acontece um perrengue, somos roubados ou a câmera quebra ou carro estraga e por instantes achei que alguém já pudesse ter visto e levado a Go Pro, pois o carro já havia ficado estacionado na porta do hotel por pelo menos 15 minutos. Mas, por muita sorte isso não aconteceu e o Alexandre se deu conta e pegou a câmera que estava instalada no para-brisas pelo lado externo. Quando retornou ao hotel e meu pavor passou instantaneamente! Que alívio! Kkkkk

Mais tarde a chuva passou e saímos para jantar. Como o hotel era na zona central, haviam várias opções de restaurantes bem próximas, assim como vários caixas eletrônicos, uma vez que também precisávamos sacar dinheiro.

Era domingo e estava sendo realizada uma festa na cidade, a qual ficamos assistindo por um tempo. A festa de Candelária é um festival em honra a virgem de Candelária, que é a padroeira da cidade de Puno. Esta é uma festa muito tradicional e envolve muita música e danças típicas da região. A festa equivale ao carnaval no Brasil. Em termos de organização e número de pessoas envolvidas, direta e indiretamente, é considerado um dos três maiores festivais da América do Sul, juntamente com o carnaval do Rio de Janeiro (no Brasil) e de Oruro (na Bolívia).

Voltamos ao hotel e fizemos a reserva (lá mesmo na recepção) do passeio para as Ilhas Flutuantes Los Uros e Ilha Taquile. Contratamos o passeio, por 140 nuevos soles (o equivalente a aproximadamente R$140) para o casal, que vai sair do hotel na manhã seguinte por volta das 7h30min.

 

Procurando onde se hospedar em Puno? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

 

 

Tem interesse em efetuar uma reserva? Antes de reservar a sua hospedagem utilize os links do Booking do nosso blog ou fanpage e colabore conosco! Não há nenhum acréscimo de valor e nós ganhamos uma pequena comissão por cada reserva efetuada que irá auxiliar na manutenção do nosso blog.

 

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *