Posts

Em La Serena, cidade chilena com 209.651 habitantes que costeia o pacífico e faz fronteira com a Argentina, ficamos hospedados no Bed and Breakfast Hola Chile.  O local é administrado pela colombiana Nury Trompa e pelo arquiteto chileno Mauricio Namoncura. Além do serviço de hospedagem, os dois se uniram para firmar uma sociedade em um empreendimento turístico que visa proporcionar que pessoas com deficiências físicas possam usufruir de passeios, atrações turísticas e praticas desportivas.

 

DSC_3145

Bed and Breakfast Hola Chile

DSC_3144

Fachada e rampa de acesso ao estabelecimento

O estilo de hospedagem do Hola Chile é Bed and Breakfast. Dando uma breve descrição, para quem não conhece, são residências privadas administradas pelos próprios moradores. Neste conceito os anfitriões fornecem uma atmosfera acolhedora que nem de perto pode ser comparada com o atendimento de um serviço de hospedagem mais tradicional como, por exemplo, o de um hotel. Neste sentido o Hola Chile se apresenta dentro desse conceito pois, se configura em uma casa com atendimento cordial, muito agradável, confortável, organizada, bem decorada e limpa. Na casa é possível utilizar a cozinha equipada, de forma compartilhada, com todos os seus recursos para fazer refeições rápidas e até mesmo cozinhar. A hospedagem oferece também café da manhã, recepção 24 horas, balcão de turismo, internet wi-fi, serviço de lavanderia, estacionamento (necessita reserva), lounge e sala de TV compartilhados. Na casa há comodidade para hóspedes com mobilidade reduzida e aquecimento. Além disso, é proibido fumar em todas as dependências do local.

DSC_3134

Cozinha equipada para uso dos hóspedes

DSC_3133

Cozinha equipada para uso dos hóspedes

DSC_3131

Sala de estar

DSC_3125

Sala de estar

Há disponibilidade de alguns quartos incluindo opções para famílias. Entre as acomodações disponíveis há quarto para solteiro, quarto duplo, quarto triplo e quarto família com varanda, ambos com banheiro compartilhado. O banheiro é muito bem higienizado e são fornecidas toalhas e itens de higiene. Os quartos são simples mas, confortáveis e limpos. Não há comodidades tais como ar condicionado e TV.

No local há uma área externa com jardim, churrasqueira e terraço aberto. Na época na qual nos hospedamos os administradores iriam iniciar uma reforma com o intuito de revitalizar o ambiente externo deixando-o mais agradável para o convívio dos seus hospedes.

O café da manhã é completo e muito saboroso. É servido pães, leite, iogurte, suco, chás, café, geleias, manteiga, ovos (opcional) e frutas.

DCIM102GOPRO

Quarto triplo

DCIM102GOPRO

Quarto triplo

DCIM102GOPRO

Quarto triplo

DCIM102GOPRO

Um dos banheiros da casa

DSC_3122

Café da manhã servido

DSC_3123

Detalhes

DSC_3137

Detalhes: identificação dos quartos

DSC_3136

Detalhes: decoração

DSC_3140

Vista da cidade e do pacífico

Um aspecto que pode ser considerado negativo, é a localização pois, o Hola Chile fica mais afastado do centro da cidade. No entanto para quem está com condução própria isso não se configura em um problema, pois a localização é próxima, distante apenas cinco minutos da zona central. Além disso, há transporte coletivo próximo do local para quem está sem condução e não quer depender de taxi. Ainda, a localização proporciona uma estadia sossegada, pois fica em um bairro tranquilo da cidade o que favorece importantes momentos de descanso.

A nossa estada em La Serena foi muito rápida, somente uma pernoite, pois já estávamos retornando para o Brasil e neste caso não tivemos oportunidade de conhecer melhor a cidade além da sua belíssima praia. A proprietária do local também auxilia e orienta os hóspedes em relação aos principais pontos turísticos e atrações da cidade.

O que mais nos agradou durante a nossa estadia foi simpatia e hospitalidade da Nury e sua filha que nos receberam muito bem e fizeram de tudo para que nos sentíssemos em nossa própria casa. As crianças também foram bem recebidas e a proprietária se esforçou para agradá-las. Durante as nossas refeições oferecia copos, pratos e jogo americano de personagens infantis.

Como o previamente comentado a Nury e o Mauricio trabalham em um projeto com o intuito de propiciar que pessoas com deficiências físicas possam desfrutar de atividades turísticas e desportivas. A ideia do projeto surgiu após Nury passar por um enfermidade que a obrigou a utilizar, momentaneamente, uma cadeira de rodas. Esta situação fez que algo mudasse dentro de si e, após a sua recuperação, decidiu que iria se dedicar a auxiliar deficientes físicos a desfrutar de atrativos turísticos. Nesta reviravolta em sua vida mudou-se para o Chile onde conheceu Mauricio que tinha ideias e anseios relacionados a acessibilidade semelhantes ao de Nury. Neste momento, resolveram fazer parceria no desenvolvimento deste projeto que foi aprovado e recebeu financiamento em 2013.

CcoCyV6UYAApbyZ

Idealizadores do projeto: Nury e Mauricio (acervo Hola Chile)

DSC_3129

Projeto Hola Chile

silla de ruedas sobre un caballo

Cavalgada (acervo: Hola Chile)

usuario de silla de ruedas en muro de escalada (2)

Muro de escalada (acervo Hola Chile)

usuario de silla de ruedas lanzando flecha

Arco e flexa (acervo Hola Chile)

CcpnGqeUMAEDb7N

Expedição (acervo Hola Chile)

Ccoh4j9UkAAqnib

Vestindo a camiseta do projeto (acervo Hola Chile)

O projeto é pioneiro na América do Sul e visa acessibilidade turística de modo que pessoas com deficiências físicas possam exercer atividades tais como cavalgadas, mergulho, caiaque, surf entre outras modalidades. Para isso Hola Chile desenvolveu parcerias com empresas associadas para o desempenho destas atividades. Para mais informações acesse o site do projeto clicando aqui.

Siga o Hola Chile nas redes sociais:

 

* Em nossa viagem recebemos um desconto para nos hospedarmos no Hola Chile.

 

Seu destino é La Serena na Chile? Clique aqui e faça a sua reserva no Bed and Breakfast Hola Chile por meio do Booking.com.

 

Tem interesse em efetuar uma reserva? Antes de reservar a sua hospedagem utilize os links do Booking do nosso blog ou fanpage e colabore conosco! Não há nenhum acréscimo de valor e nós ganhamos uma pequena comissão por cada reserva efetuada que irá auxiliar na manutenção do nosso blog.

 

 

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro. Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

Dando continuidade as postagens de outros viajantes que, assim como nós, adoram colocar os “pneus na estrada” hoje apresentamos o relato da viagem do Guilherme Pegoraro que partiu em uma viagem de carro pela Argentina, Chile, Peru e Bolívia juntamente com os seus amigos Marília Tizziani, Maurício Chaves e Joana Demoliner.

Essa turma de amigos foi incentivada a sair de Erechim/RS por um casal, da mesma cidade, bastante experientes nesse estilo de viagem.

Não deixem de conferir o relato desta aventura que inclui o roteiro, os passeios, uma ideia de custo, as belíssimas fotos, além de muitas outras informações.

Como consequência dessa primeira viagem de carro pela América do Sul, eles já fazem planos para as próximas… Quem se anima a dar esse pontapé inicial já retorna pensando em partir novamente. Não poderia ser diferente… Não é mesmo?

Agradecemos ao Guilherme e seus amigos pela colaboração e disponibilidade em contar como foi a sua viagem para nós e nossos leitores. Temos certeza que servirá de inspiração para muitos!

Viajantes: Guilherme Pegoraro, Marilia Tizziani, Maurício Chaves e Joana Demoliner

Blog: http://tripsulamericana.blogspot.com.br (em atualização)

Período: 28 de agosto a 16 de setembro de 2015 (20 dias)

Local de Partida: Erechim/RS

Quilometragem total: 8.000 km

Países visitados: Argentina, Chile, Peru e Bolívia.

Veículo: Fiesta 1.6, 2013

Objetivo geral: Vivenciar as diversas culturas e os lugares encantadores de uma pequena parte da nossa grande América do Sul;

Objetivo específico: Machu Picchu, San Pedro do Atacama e a misteriosa Bolívia

Objetivo dos objetivos: Pontapé inicial das primeiras de muitas viagens de carro que virão pela frente…

 O relato:

A ideia de partir de carro pela América do Sul sempre nos soou muito encantadora. Seguíamos diversos aventureiros nas redes sociais e tivemos a oportunidade de dividir a experiência dos nossos queridos amigos Felipe Mocelin e Júlia Parenti, também de Erechim/RS, que já se aventuraram em mais de 60.000 km pela América do Sul.

A data definida para o pontapé inicial aconteceu em um dia comum, após alguns chopes na cervejaria Ágape do nosso amigo Valmor Bandiera (um grande incentivador para a nossa viagem), também em Erechim/RS. Sempre tínhamos receio de fazer uma grande viagem assim, em apenas um casal e em um carro. Neste dia os dois casais e quatro grandes amigos: Eu (Guilherme), Marilia, Mauricio e Joana definimos que a viagem sairia em aproximadamente dois meses: dia 28 de agosto de 2015. Em função das circunstâncias conseguimos pegar férias no nosso emprego e planejar a viagem. Após esta data eu e o Maurício dedicamos nossas horas vagas planejando e definindo o roteiro.

Após alguns dias o roteiro e os pontos de interesse foram definidos: Argentina, Chile, Peru e Bolívia.

Roteiro

O tão esperado dia 28 de agosto chegou, e partimos logo a meia noite de quinta para sexta. No primeiro dia saímos de Erechim/RS e fomos até San Salvador de Jujuy/ARG, fazendo 1800km. Tínhamos planejado esta distância, mas não acreditamos que iriamos conseguir fazer tamanha distância em apenas um dia. Mas a adrenalina era tão grande, que fomos revezando no volante, sem cansaço e chegamos em Jujuy/ARG as 20:00 onde ficamos hospedados no Hotel Fenícia no centro da cidade.

No segundo dia partimos cedo, abastecemos e carro e seguimos em direção a cordilheira. A paisagem na estrada sentido Paso de Jama é espetacular e fica mais linda a cada quilometro rodado. Passamos pelas Salinas Grandes onde paramos para tirar algumas fotos. O visual da estrada é incrível e vale a pena fazer este trajeto com calma.

De San Salvador de Jujuy para SPA

De San Salvador de Jujuy para SPA

De San Salvador de Jujuy para SPA

De San Salvador de Jujuy para SPA

Em SPA nos hospedamos no Hostal Puritama. Nos três dias que ficamos no Atacama, fizemos todos os passeios de carro, menos os Gêiseres que fomos com agencia pois, o pessoal das agencias haviam nos orientado que a estrada era muito ruim e não era recomendado ir com carro pequeno. Grande mentira, nos arrependemos de ter ido por agencia, pois chegamos tarde no local, não vimos a maior atividade dos mesmos e foi um verdadeiro perrengue. Em SPA também conhecemos as Lagunas Altiplanicas, Salar de Águas Calientes, Laguna Tuyajto, Vale de la Luna, Termas de Puritama e Geisers del Tatio. Faltaram muitos lugares para conhecer, os quais ficarão para uma próxima viagem.

Salar de Águas Calientes no Chile

Salar de Águas Calientes no Chile

Lagunas Altiplanicas

Lagunas Altiplanicas

Laguna Tuyajto

Laguna Tuyajto

Sentido Paso de Sico em SPA

Sentido Paso de Sico em SPA

De SPA partimos para Tacna/PER, dando uma passadinha na bela cidade de Iquique/CHI, uma cidade portuária de zona franca, onde avistamos o lindo oceano Pacífico. De Tacna/PER partimos no outro dia direto para Arequipa/PER e no mesmo dia já partimos fazer alguns passeios. Conhecemos a famosa Catedral na bela Plaza de Armas, Monastério de Santa Calatina e o Museu da Múmia Juanita. Ficamos apenas uma noite em Arequipa e no outro dia já seguimos sentido Cusco/PER. O centro histórico de Arequipa é muito bonito e o passeio no Monastério de Santa Catalina é indispensável. A chegada em Arequipa assusta um pouco em função do transito e da pobreza da cidade, mas o centro histórico compensa o sofrimento da entrada. Uma dica é fazer o passeio no Monastério de Santa Catalina a noite e auxiliado por um guia, o qual você contrata na entrada.

De Tacna para Arequipa no Peru

De Tacna para Arequipa no Peru

Saímos de Arequipa/PER logo cedo após o café e seguimos para Cusco/PER. A estrada é um pouco sinuosa e sempre aparecem lhamas, cabras e cachorros soltos na pista, os quais exigem uma atenção a mais. Passar por Juliaca/PER também não é coisa fácil e interessante, mas o caminho exige. A cidade de Juliaca/PER é um caos a parte, o transito é impossível de ser compreendido, mas com um pouco de calma e alguns pedidos de informação logo fica claro.

Juliaca, ainda a parte bonita da cidade

Juliaca, ainda a parte bonita da cidade

Em Cusco, ficamos cinco dias e fizemos os passeios de carro: Vale Sagrado, Moray, Salinas de Maras, Centro Histórico de Cusco, Qorikancha, Tambomachay, Sacsayhuamán, Pikillaqta, Oropesa e o tão esperado Machu Picchu. Para o passeio do vale sagrado e o centro histórico vale a pena contratar um guia, pois tem muitas informações que passam despercebidas. Para Machu Picchu, fomos pelo meio convencional: Van de Cusco a Ollantaytambo, trem até Aguas Calientes, e micro-ônibus para subir a Machu Picchu. Em Machu Picchu chegamos cedo e curtimos todo o dia, retornando a pé para Águas Calientes, descendo a íngreme montanha.

IMG_7621

Machu Picchu

De Cusco/PER partimos para Copacabana/BOL. Chegando na Aduana da Bolívia tivemos que esperar mais de três horas pois a fronteira estava fechada para a realização de uma tourada, algo inacreditável. Não imaginamos que pudessem fechar a fronteira de um pais para realizar uma tourada. Porém, Copacabana/BOL foi uma cidade que nos surpreendeu. A rua principal com diversos bares e restaurantes é muito aconchegante com boas opções para diversão, com bares de rock, reggae e muitos gringos.

Marilia aguardando a Aduana do Peru para Bolivia abrir ao fundo, pois estava fechada para uma tourada

Marilia aguardando a Aduana do Peru para Bolivia abrir ao fundo, pois estava fechada para uma tourada

Ficamos mais um dia em Copacabana e depois seguimos para Uyuni/BOL, passando por Potosí/BOL. Em Uyuni pegamos um Apart Hotel. Ficamos duas noites na cidade de Uyuni. O Salar é muito belo, e fizemos o passeio com agencia, por medo de colocar o carro no salar. A cidade de Uyuni, a entrada no salar e basicamente toda a Bolívia são muito sujos, com lixo espalhado por todos os lados, tamanha diferença de cultura.

Mauricio, Joana e Marilia em foto em perspectiva no salar de Uyuni

Mauricio, Joana e Marilia em foto em perspectiva no salar de Uyuni

Guilherme em uma foto com sua cerveja artesanal Bota Amarela em Uyuni

Guilherme em uma foto com sua cerveja artesanal Bota Amarela em Uyuni

Saindo de Uyuni/BOL seguimos para Tilcara/ARG no norte da Argentina. Outra cidade surpreendente com inúmeras opções para entretenimento, muito bela e rústica. De Tilcara/ARG seguimos para Resistencia/ARG, onde dormimos antes de retornar a nossa cidade.

Gastos: Em torno de R$ 4.500 / pessoa. Um conselho é sempre levar a maior quantidade em dólar. Nós levamos poucos dólares e maior quantidade em reais, pois na época que partimos o dólar estava na casa dos R$ 3,80. Em todas as trocas o dólar sempre é mais valorizado e os cambistas sempre pagam da cotação oficial para mais, enquanto o real é sempre para abaixo do oficial.

Bares e Restaurantes Inperdíveis: Calate de Los Verdes (Iquique/CHI): Um pequeno vilarejo de pescadores a 10km de Iquique/CHI de frente para o oceano pacifico com muitas opções de frutos do mar frescos;

La Pica del Índio: Restaurante em San Pedro do Atacama/CHI com culinária típica e ótimo custo benefício (pagamos em torno de 20 reais por pessoa, com entrada, prato principal e sobremesa);

Chela Cabur: Pub de San Pedro do Atacama/CHI com algumas cervejas artesanais e diversão na certa;

Minuteman Revolutionary Pizza: Pizzaria de Uyuni/BOL, fica dentro de uma das avenidas. Sem dúvida a melhor pizza que já comemos na vida. Atendimento e local espetacular.

Documentação: Levamos a Carta Verde, PID, Passaportes e a Carteira de Vacinação Internacional (exigida na Bolívia – Febre Amarela). A Carteira de Vacinação e a PID não nos foi exigida em nenhum momento. Um conselho nosso é ir com passaporte, o qual agiliza um pouco os trâmites em algumas aduanas. No Peru fizemos o seguro SOAT na cidade de Tacna, por algo em torno de 20 soles.

Polícia: Fomos parados inúmeras vezes nas estradas. Sempre que viam que o carro era estrangeiro nos mandavam encostar. Porém, não tivemos nenhum problema com propinas e todos os polícias foram muito legais, sempre prestativos dando informações. O Maurício Chaves estava sempre com um colete estilo do exército e a barba grande, o que acreditamos que possa ter ajudado um pouco nesse sentido hehe. Uma dica é sempre muito gentil com os policias e trocar informações. Eles também têm curiosidade em saber um pouco sobre nosso país, cultura… enfim, conversa fiada!

A viagem foi tão espetacular que não vemos a hora de fazermos a próxima. Nossa idéia voltar o quanto antes para San Pedro do Atacama/CHI, um lugar espetacular pela sua diversidade.

Guilherme Luís Pegoraro

 

Procurando onde se hospedar durante as suas viagens? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

 

 

 

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

Os famosos Los Caracoles

Hoje foi o dia que nos despedimos do Chile. Fechamos a nossa estada neste país com chave de ouro após a hospitalidade com que fomos recebidos no Hotel Génova pelo Andres, sua esposa Carolina e seus pais.

Após o nosso café da manhã, arrumamos a nossa bagagem e partimos a rumo a fronteira com a Argentina onde atravessamos a Cordilheira dos Andes pelo Paso Internacional Los Libertadores. O paso também é chamado de Cristo Redentor e é famoso pelo local chamado de “Los Caracoles”, que é local onde a estrada faz um zigue-zague subindo 670m pela Cuesta Juncal na Cordilheira dos Andes.

O dia iniciou com sol e temperatura amena, mas conforme nos aproximávamos da fronteira, o tempo foi ficando nublado, ventoso e frio.

Onde estamos: Los Andes/Chile

Onde estamos: Los Andes/Chile

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Atravessando as Cordilheiras dos Andes

Atravessando as Cordilheiras dos Andes

Um pouco antes de chegar a Los Caracoles passamos por um controle de fronteira onde informamos quantas pessoas estavam viajando e nos deram um pequeno papel que deveríamos entregar na aduana.

Em seguida chegamos as famosas curvas da estrada, onde conseguimos fazer uma travessia bastante tranquila. É a nossa segunda travessia neste paso, mas o lugar é tão incrível que não tem como não se encantar, mesmo que pela segunda vez. Paramos para contemplar o local como se fosse nossa primeira vez ali! Veja detalhes da nossa viagem anterior neste link.

Os famosos Los Caracoles

Os famosos Los Caracoles

As estradas estavam em obras, porém isso não atrapalhou a nossa travessia e conseguimos parar para fotografar as curvas da estrada em todos os pontos que tivemos vontade. Nestas paradas o clima estava bem frio e ventava bastante. Nem quisemos tirar a Isabela do carro. Descemos somente o Felipe, pois ele queria muito ver a estrada. Contemplamos um pouco a beleza do lugar, tiramos algumas fotos e seguimos viagem.

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Quando passamos pela aduana de entrada no Chile (em sentido contrário) a fila de carros era imensa! Com certeza todos aqueles viajantes iriam passar um bom tempo até conseguirem realizar todos os tramites e fazer a travessia do paso.

Fila também para quem estava entrando no Chile

Fila também para quem estava entrando no Chile

Conforme avançávamos a viagem o tempo ia piorando, chegando até mesmo cair alguns pequenos flocos de neve. Nem precisamos dizer que fora do carro o frio era intenso. Não esperávamos pegar este clima nesta época do ano, passamos neste paso durante o inverno (junho de 2009) e o clima estava bem mais ameno do que nesta ocasião. Por precaução levamos até as cadenas para as rodas e quase que precisamos utilizá-las.

Passamos pelo pedágio próximo ao Cristo Redentor, onde pagamos 3300 pesos chilenos. Logo em seguida chegamos ao Parque Provincial Aconcágua. Compramos as entradas, 20 pesos argentinos por pessoa, e seguimos até o estacionamento do parque. Como fazia muito frio somente o Alexandre se aventurou em fazer o Circuito Laguna de Horcones.

Túnel Cristo Redentor

Túnel Cristo Redentor

2014-03-01-14-16-57-Foto-2936 2014-03-01-14-18-04-Foto-2940 2014-03-01-14-20-31-Foto-2799 2014-03-01-14-24-15-Foto-2754

Parque Provincial Aconcagua

Parque Provincial Aconcagua

Mulas retornando do acampamento base do Aconcagua/Parque Provincial Aconcagua

Mulas retornando do acampamento base do Aconcagua/Parque Provincial Aconcagua

Helicóptero de resgate no Parque Provincial Aconcagua

Helicóptero de resgate no Parque Provincial Aconcagua

Laguna de Orcones/Parque Provincial Aconcagua

Laguna de Orcones/Parque Provincial Aconcagua

Parque Provincial Aconcagua

Parque Provincial Aconcagua

Laguna de Orcones/Parque Provincial Aconcagua

Laguna de Orcones/Parque Provincial Aconcagua

Estacionamento do Parque Provincial Aconcagua

Estacionamento do Parque Provincial Aconcagua

A Rosângela, Felipe e Isabela se enrouparam e ficaram aguardando no quentinho, dentro do carro. Na nossa viagem anterior, em junho de 2009, já tínhamos visitado este parque e, na ocasião, mesmo sendo inverno, não estava tão frio como neste dia. Este é mais um exemplo de que o clima é sempre imprevisível e temos que estar sempre preparados!

Após a visita, encontramos uma família de brasileiros, que eram gaúchos de São Leopoldo, viajando de carro. Conversamos um pouco com eles, os quais estavam bem animados e viajavam em direção ao Chile. Eles pretendiam visitar Viña del Mar e Valparaíso, entre outras cidades. Apesar se ser o finalzinho da nossa viagem, foram os primeiros viajantes brasileiros de carro que encontramos. Para nós estes encontros são bem legais e já nos faz matar um pouquinho da saudade de casa.

Logo em seguida, chegamos nas aduanas para fazer a saída do Chile e a entrada na Argentina, pois as aduanas são integradas e os trâmites são feitos no mesmo local. Tome cuidado para não passar reto pela a aduana, pois há apenas uma placa indicando o desvio e não vimos nenhum tipo de barreira na estrada. Se bobear, se passa direto!

Ao chegar na aduana entramos em um fila de carros que não era muito grande. Para nossa surpresa encontramos mais um carro de um casal de viajantes gaúchos de Novo Hamburgo na fila. Fomos conversar com eles que, como nós, estavam retornando para casa e também iriam pernoitar na cidade de Mendoza. Durante todo o período que aguardamos para fazer os trâmites, ficamos conversamos com o casal de brasileiros que, como nós, já haviam feito várias viagens de carro para a Argentina anteriormente. No entanto era a primeira viagem que eles fizeram até o Chile.

O sistema desta aduana é bem interessante. Os policiais organizam uma fila de carros, que vão sendo chamados por ordem para entrar em um prédio, parecido com uma grande garagem. Deste modo, não há necessidade de sair do carro para realizar os trâmites. Há guichês na altura da janela do carro e você pode fazer boa parte do processo sem sair do carro. Somente é necessário descer durante a revista no carro, quando é necessário acompanhar o agente aduaneiro.

Embora a fila não estivesse muito grande, o tempo de espera nesta aduana foi de cerca de 1h e 30min. Apesar da demora, achamos este sistema muito mais prático, pois se tivéssemos que ficar todo este tempo em pé na fila seria bem mais complicado e, sem dúvidas, cansativo.

Quando o agente estava revistando o porta malas do carro, sentiu cheiro de banana e perguntou se estávamos levando frutas. Na verdade havíamos acabado de comer as frutas e havia ficado o cheiro. Ele também nos perguntou se havíamos feito compras que necessitassem ser declaradas. Informamos que não e a revista seguiu bem tranquila. Vimos que na revista dos outros carros todos os produtos de origem vegetal estavam sendo apreendidos.

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Alguns quilômetros após a aduana chega-se a Puente del Inca, onde paramos para comer alguma coisa. Saímos um pouco do carro, fotografamos a ponte e logo voltamos por causa do frio. Compramos um lanche (que custou bem caro) e comemos no carro.

Puente del Inca

Puente del Inca

O tempo estava bem ruim. Além de frio, estava chuvoso e ventoso. Estamos no final de nossa viagem e este foi o primeiro dia que o mal tempo realmente nos atrapalhou um pouco. As paisagens entre Los Andes e Mendoza são muito lindas, mas infelizmente o tempo ruim prejudicou um pouco e não podemos aproveitar a viagem como gostaríamos.

Ruta 7 (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 7 (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 7 (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 7 (Paso Internacional Los Libertadores)

Uspallata/Argentina

Uspallata/Argentina

Onde estamos: Mendoza/Argentina

Onde estamos: Mendoza/Argentina

Chegando em Mendoza fomos direto ao hostal que havíamos efetuado a reserva através do Booking.com. Havíamos reservado o Hostal Quinta Rufino. Logo após fazer o check-in já percebemos que não foi uma boa escolha. O estacionamento é em fila, quando o primeiro carro precisa sair, os demais tem que ser retirados. No entanto, a atendente informou que não seríamos incomodados para retirar o nosso carro até o horário do check-out. Para entrar com a nossa bagagem no hostal foi um verdadeiro desafio, uma vez que o acesso passava pelo estacionamento. A garagem era tão estreita que, mesmo sem as bagagens, tínhamos que passar espremidos contra a parede. Havia uma outra entrada, mas pelo que podemos perceber, não era muito utilizada.

Além disso, o local não nos agradou de uma forma em geral. As fotos que foram colocadas no booking não condizem com a realidade do local. As condições do quarto e do banheiro são um pouco precárias. O quarto fica iluminado a noite inteira, pois a uma janela sem cortina sobre a porta. O chuveiro é daqueles que molha todo o piso do banheiro. A limpeza do hostal também é um pouco duvidosa. Enfim, não nos agradou e não recomendamos este hostel. Saímos para comer em um restaurante próximo ao hotel e retornamos para dormir.

 

Procurando onde se hospedar em Mendoza? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

 

 

Tem interesse em efetuar uma reserva? Antes de reservar a sua hospedagem utilize os links do Booking do nosso blog ou fanpage e colabore conosco! Não há nenhum acréscimo de valor e nós ganhamos uma pequena comissão por cada reserva efetuada que irá auxiliar na manutenção do nosso blog.

 

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

Cordilheira dos Andes vista desde a ruta 5

Hoje começamos a retornar ao Brasil. Levaremos cinco dias para chegar em casa. Por causa das crianças, o máximo que pretendemos percorrer por dia são 700Km e, mesmo assim, já é uma quilometragem alta. Levamos praticamente um dia inteiro para cumprir percursos desta extensão.

Paramos para almoçar em um restaurante na beira da estrada chamado En Borde Rio. Gostamos muito e consideramos uma ótima opção. Além da comida ser boa a sua área externa é muito agradável para descansar alguns minutos e ainda tem parquinho para as crianças se divertirem.

Durante este trajeto também há vários postos de combustíveis Copec Pronto que também é uma ótima opção de parada para “esticar as pernas” e a maioria também tem brinquedos para as crianças.

Paradinha para o almoço

Paradinha para o almoço

Paradinha para o almoço

Paradinha para o almoço

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Cerca de 200Km antes de chegar a Santiago já é possível avistar as Cordilheiras dos Andes a partir da estrada.

Cordilheira dos Andes vista desde a ruta 5

Cordilheira dos Andes vista desde a ruta 5

Ruta 5

Ruta 5

Ruta 5

Ruta 5

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Cordilheira dos Andes vista desde a ruta 5

Cordilheira dos Andes vista desde a ruta 5

Para atravessar Santiago e chegar a Los Andes foi bem tranquilo. Seguimos a indicação do GPS Garmin, utilizando o mapa do projeto Mapear, e deu tudo certo.

Devido a cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago/Chile é necessário adquirir o Pase Diário Único (PDU). Veja mais informações sobre o assunto clicando aqui. O sistema automatizado começa a aproximadamente 30km antes de Santiago.

Pase Diário Único (PDU) necessário devido a cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago/Chile

Pase Diário Único (PDU) necessário devido a cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago/Chile

Cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago

Cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago

A viagem neste dia foi bem tranquila. Viajar em uma via duplicada e de excelente qualidade faz qualquer viagem fluir muito bem. Paramos em alguns trechos para descansar e almoçamos em um restaurante de comida caseira na beira da estrada.

Chegando em Los Andes, nosso último destino no Chile, fomos direto ao Hotel Génova que previamente fizemos a reserva através do Booking.com. Este hotel é uma ótima opção e fomos muito bem recepcionados. O local conta com ventilador, TV LCD, wi-fi, café da manhã e estacionamento. O ambiente é muito familiar, agradável, limpo e organizado.

Após nos acomodarmos, a Carolina, umas das donas do hotel foi ao nosso quarto nos levar um suco. Além disso, foram muito atenciosos conosco, montando um berço para a Isabela dormir e nos indicando um bom local para jantarmos.

Fomos então, a pé, até o restaurante Él Vagon, que fica a algumas quadras do hotel. Gostamos muito, pois além de servir uma comida bastante saborosa, possui uma bela decoração que lembra o vagão de um trem. Depois de jantarmos, voltamos para descansar no hotel.

Restaurante Él Vagon (Los Andes/Chile)

Restaurante Él Vagon (Los Andes/Chile)

 

Procurando onde se hospedar em Los Andes? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

 
 

 

Tem interesse em efetuar uma reserva? Antes de reservar a sua hospedagem utilize os links do Booking do nosso blog ou fanpage e colabore conosco! Não há nenhum acréscimo de valor e nós ganhamos uma pequena comissão por cada reserva efetuada que irá auxiliar na manutenção do nosso blog.

 

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

Fruttilar/Chile

Hoje deixamos Puerto Varas e fomos em direção a cidade de Temuco.

Como havíamos comentado no diário anterior, passamos novamente em Frutillar. A cidade é mesmo muito encantadora e o dia, com sol alto, deu um toque mais especial as fotos que tiramos.

Tudo em Frutillar remete a música, como os detalhes dos bancos e as esculturas. Há inclusive um piano no meio do calçadão, que é com certeza uma das principais atrações da cidade. Todos querem tirar uma foto tocando piano em um cenário incrível como este.

Fruttilar/Chile

Frutillar/Chile

Fruttilar/Chile

Frutillar/Chile

Fruttilar/Chile

Frutillar/Chile

Fruttilar/Chile

Frutillar/Chile

Tempinho para brincar

Tempinho para brincar

Após fazermos um lanche, seguimos em direção a Temuco.

Neste trecho da viagem passamos por seis pedágios: um secundário, na entrada na cidade de Temuco, no valor de 500 pesos chilenos; e cinco com valores entre 2000 e 2100 pesos. Alguns desses pedágios aceitam pagamento com cartão de crédito. Pagamos alguns desta maneira e nos impressionou a agilidade desta forma de pagamento, sendo mais rápido que em dinheiro. A atendente apenas passa o cartão, digita os 3 números de segurança e a chancela é liberada. Não precisa digitar a senha ou assinar o canhoto do recibo. Porém, não são todos os pedágios da ruta cinco que aceitam cartão de crédito.

Um dos inúmeros pedágios da ruta 5

Um dos inúmeros pedágios da ruta 5

No meio do caminho entre Puerto Varas e Temuco, na ruta 5, passamos por um radar móvel. Durante este percurso passamos em um posto Copec Pronto para comprar o Pase Diário Único (PDU). O PDU é necessário devido a cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago/Chile. Veja mais informações sobre o assunto clicando aqui.

Pase Diário Único (PDU) necessário devido a cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago/Chile

Pase Diário Único (PDU) necessário devido a cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago/Chile

Onde estamos: ruta 5 (ruta Panamericana)

Onde estamos: ruta 5 (ruta Panamericana)

Os postos de combustíveis Copec Pronto nos surpreenderam muito com a sua infraestrutura. Há na ruta 5 vários postos dessa rede, nos quais há restaurantes, lanchonetes, banheiros para adultos e crianças, duchas, lavanderia, guarda-volumes, wi-fi, playground, além de outros serviços. Tudo isto em um ambiente moderno e muito agradável. Realmente dá gosto parar na estrada para descansar em um ambiente como este, pois os serviços oferecidos são bastante úteis para quem está viajando.

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Chegando em Temuco, fomos direto ao hostel que havíamos reservado anteriormente através do Booking.com. O Ritter Haus aluga cabanas equipadas com cozinha, quartos e banheiro. O local é limpo, organizado e fica localizado em uma zona central, distante 1km do shopping. Possui TV, wi-fi, aquecimento e estacionamento.

A nossa única ressalta em relação a este hostel é o estacionamento. Os carros ficam enfileirados e, para o os carros da frente saírem, os que estão atrás precisam ser retirados primeiro. É um ponto negativo do lugar, porém durante nossa estadia isso não nos atrapalhou em nada. Não precisamos tirar o carro para ninguém sair e vice versa, pois a dona do estabelecimento meio que organizou os carros de acordo com a ordem de saída.

Após nos acomodarmos, fomos para o shopping passear e jantar. Comemos uma pizza muito saborosa no Tele Pizza. O shopping fecha às 22h, porém as suas lojas âncoras, Ripley e Paris, fecham as 21h.

 

Procurando onde se hospedar em Frutillar? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

 

 

Procurando onde se hospedar em Temuco? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

 

 

 

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

Rumo ao vulcão!

Hoje fomos até a base do Vulcão Osorno, localizado no Parque Nacional Vicente Perez Rosalez. O Osorno possui 2652m de altitude e sua base está a 1240m. No inverno (e parte da primavera), no local, funciona o Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno. O centro conta com 12 pistas de diferentes níveis de dificuldade.

Onde estamos: Puerto Varas/Chile

Onde estamos: Puerto Varas/Chile

Para chegar lá, partindo de Puerto Varas, segue-se pela 225-CH. Depois pega-se a U-99-V e então a V-555. Todo o percurso é asfaltado, em um total de 60km.

A bela vista do Lago LLanquihue nos acompanhou em todo o percurso. Durante o caminho, que leva até a base do vulcão, é possível parar em alguns mirantes e admirar a paisagem.

A ruta V-555, que leva a base do vulcão, é bem íngreme. Em seus 12km de extensão sobe-se cerca de 1100m, atravessando-se um lindo bosque. Tanto a subida, quanto a descida, deve ser feita com muita atenção. Em nenhuma de nossas viagens pegamos uma estrada tão íngrime quanto esta. Os últimos 2km (em zigue-zague), chegando a base do vulcão, são os mais íngrimes. De qualquer forma, nosso carro 1.0 enfrentou bem o desafio.

Ruta 225-CH (em manutenção) margeando o Lago LLanquihue

Ruta 225-CH (em manutenção) margeando o Lago LLanquihue

Lago LLanquihue e o belo Vulcão Osorno

Lago LLanquihue e o belo Vulcão Osorno

Parada para abastecer a Isabela :)

Parada para abastecer a Isabela 🙂

Felipe, o Lago LLanquihue e o Vulcão Osorno

Felipe, o Lago LLanquihue e o Vulcão Osorno

Viagem em família

Viagem em família

Rumo ao vulcão!

Rumo ao vulcão!

Subindo o Vulcão Osorno: de Puerto Varas a base do vulcão é tudo asfaltado

Subindo o Vulcão Osorno: de Puerto Varas a base do vulcão é tudo asfaltado

Da base do vulcão a vista que se tem dá uma ideia da imensidão do lago que se perde no infinito do horizonte. É realmente um cenário magnífico da natureza. Nesse local há um restaurante, banheiros e também é possível subir de teleférico e fazer outros tipos de atividades, como trilhas, por exemplo.

Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Teleférico do Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Teleférico do Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Estacionamento do Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

Estacionamento do Centro de Ski y Montaña Volcán Osorno

A subida ao teleférico se dá em dois níveis, podendo-se optar em fazer somente um ou os dois níveis. Nós acabamos optando por não subir, mas acreditamos que a subida nos dois níveis valha a pena o investimento, que custa em torno de R$60,00 por pessoa. A subida somente ao primeiro nível (em torno de R$40,00), de acordo com as fotos que vimos na internet, parece não compensar muito.

O Alexandre fez duas pequenas trilhas que saem da base do vulcão e vão até o primeiro nível do teleférico. O percurso é bem tranquilo, mas foram necessárias algumas paradas para descansar. Ele subiu por uma trilha e desceu pela outra.

Trilha no Vulcão Osorno

Trilha no Vulcão Osorno

Trilha no Vulcão Osorno

Trilha no Vulcão Osorno

Trilha no Vulcão Osorno

Trilha no Vulcão Osorno

Trilha no Vulcão Osorno

Trilha no Vulcão Osorno

Trilha no Vulcão Osorno

Trilha no Vulcão Osorno

Depois do passeio ao vulcão, voltamos ao hotel, retornando pelo mesmo caminho. Na descida deve-se ter o dobro de atenção e usar o freio motor, percorrendo toda a ruta V-55 com bastante paciência. Qualquer falha nos freios, como o seu sobreaquecimento, pode causar um acidente bem grave. Na época que esse trecho não era asfaltado, estes 12km deveriam ser muito complicados.

Muitos dos motoristas fazem a descida de qualquer jeito, confiando totalmente nos freios (e na sorte).

Descendo o vulcão

Descendo o vulcão

Aproveitamos que nosso hostel (Compass del Sur) tinha uma cozinha muito bem equipada, passamos no supermercado Jumbo e compramos os alimentos necessários para fazer nosso jantar. Nossa! Como sentimos falta da comida de casa. Fizemos um fricassê de frango, ovo, arroz e salada. O prato ficou delicioso!

A cozinha é limpa e organizada. Há a disposição dos hospedes óleo, sal e temperos não havendo necessidade de comprar estes alimentos para cozinhar. Para a utilização da cozinha há um horário específico para não interferir no processo de trabalho das funcionárias que preparam o café da manhã.

 

Procurando onde se hospedar em Puerto Varas? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

 

booking

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.