Usado para colocar um post na página inicial do blog

, ,

[Blogagem Coletiva] 10 Dicas de viagem que só uma mãe pode dar

Em comemoração ao dia das mães, o grupo do facebook Assuntos de Blogueiros – Viajando em Família está fazendo uma blogagem coletiva para comemorar a data. O tema escolhido é 10 dicas de viagem que só uma mãe pode dar.

Como o meu foco é viagem de carro, algumas dicas são mais focadas para essa forma de viajar. Confira as minhas 10 dicas:

1. Comece a viajar com os filhos desde cedo, se possível nos primeiros meses de vida. É, isso mesmo! Quanto mais cedo começar a viajar com as crianças melhor será sua adaptação, maior será o incentivo pelo gosto de viajar e maior o envolvimento delas com essa atividade em família. Essa é uma dica importante, pois vejo muitas famílias deixarem de viajar ou ficarem adiando as viagens para quando os filhos crescerem um pouco mais. No meu ponto de vista isso é um erro, pois deixam de acostumar a criança a viajar desde cedo e, principalmente, por deixarem de vivenciar momentos preciosos junto dos pequenos com todos os aprendizados e descobertas que uma viagem pode proporcionar.

Isabela, com 4 meses, na sua primeira viagem de carro

2. Entretenimento é muito importante! Não saia de casa sem levar alguns atrativos para entreter as crianças naqueles momentos de “tédio”, durante longos percursos, por exemplo. Leve alguns brinquedos, livros de historinhas, livros de colorir, giz de cera, joguinhos (dominó, cartas, etc,), tablet ou DVD portátil, CDs de músicas que agradem as crianças. No entanto, tenha bom senso, não exagere e imponha limites para não extrapolar o volume da bagagem. Para os brinquedos eletrônicos, não esqueça de levar baterias extras e/ou carregadores.

O entretenimento é super importante, especialmente para aqueles momentos de tédio das crianças

3. Qualquer destino é bom para viajar com toda a família. Essa é a minha opinião, pois é possível envolver toda a família independente do destino. No entanto, se os principais atrativos são de maior interesse dos adultos, procure fazer algumas adaptações e inclua atividades que sejam de interesse das crianças. Geralmente as crianças se contentam com coisas simples como, por exemplo, passar um tempo no parquinho da cidade.

Um parquinho diferente! A crianças curtem muito!

4. Incentive os filhos no período pré-viagem. Para as crianças um pouco maiores, acredito que a partir de uns 3-4 anos, comece a envolvê-las no planejamento da viagem. Fale sobre os destinos, mostre fotos, mapas, faça um calendário com uma contagem regressiva até o dia de partir. Com certeza todo esse envolvimento pré-viagem farão os pequenos curtirem muito os dias da viagem propriamente dita.

Felipe ajudando a planejar a viagem

5. Cuide para não exagerar na bagagem. Crianças sempre necessitam de muitos itens e roupas extras. No entanto, não exagere e leve na bagagem somente o básico e o estritamente necessário. Faça um bom planejamento e uma lista e para não exagerar na bagagem. Acredite, o excesso pode acabar gerando muito incômodo durante a viagem. Para as mães que viajam de carro, também é importante separar um kit com mudas de roupas, lenços umedecidos, fraldas, etc. para deixar bem a mão dentro do carro. Dessa forma, caso ocorra algum imprevisto, como por exemplo, a comida que virou na roupa, um vômito inesperado, uma fralda que vasou, entre outras situações, será fácil encontrar o kit com todos os itens necessários para facilitar a resolução desse breve “sufoco”. Falando em lenço umedecido, esse item deve estar muito a mão. De preferência deixe-o no porta trecos da porta do carro, pois é muito útil em várias situações, não somente para as crianças, mas para os adultos também.

6. Leve uma caixa com alguns medicamentos básicos e itens de primeiros socorros. Vale pedir ajuda para o pediatra indicar o que é importante incluir nessa caixinha. Não esqueça de levar também protetor solar, repelente e álcool gel. São itens que, geralmente, se tem facilidade de adquirir em qualquer lugar, no entanto nunca sabemos quando será necessário e se já estiver em mãos vai facilitar muito a vida de todos durante a viagem.

7. Fazer paradas frequentes. Para as mamães que curtem viajar de carro, não esqueça que é importante fazer paradas frequentes para que todos, especialmente as crianças, dê-em um esticada nas pernas. Procure avaliar o andamento da viagem para programar as paradas. Paradas a cada 2-3h horas são muito recomendadas para evitar o stress das crianças dentro do carro. Para otimizar a viagem, aproveite as paradas para abastecer o carro, ir ao banheiro, fazer uma refeição ou lanche. Outro cuidado importante é estacionar o carro somente em locais seguros, dando preferência para postos de combustíveis ou praças de pedágios. Não estacione o carro no acostamento da estrada, pois pode ser muito perigoso, especialmente em rodovias muito movimentadas. Em viagens longas de carro, que durem vários dias, procure não programar distâncias muitos grandes para percorrer diariamente. Nestes casos, por volta de 600km por dia é o recomendado para viagens com crianças. Mesmo assim, não dá para percorrer tudo isso por muitos dias seguidos.

E no meio de um grande percurso, uma parada para um piquenique na beira da estrada

8. As crianças são a prioridade. Temos que ter sempre em mente que a viagem com crianças muda tudo. Tudo deve ser pensado colocando a criança em primeiro lugar. Sabemos que uma viagem com crianças é diferente, tem que ser mais planejada, nem todos os passeios poderão ser realizados e a viagem será mais cansativa. No entanto, por outro lado, é uma delícia viajar com os filhos e com certeza todas as dificuldades, de alguma forma, serão recompensadas.

9. Não esqueça dos lanches. Sempre tenha pequenos lanches a mão (se possível utilize uma geladeira automotiva ou caixa térmica para pode ter uma maior variedade de alimentos). Crianças adoram fazer lanches durante as viagens, no entanto não se limite a apenas guloseimas. Ofereça também frutas, biscoitos simples, barras de cereais e etc.  Ah, não esqueça da hidratação! Oferecer água é fundamental, especialmente nos dias muito quentes.

Os lanches são super importantes! Tenha sempre uma variedade deles a mão.

10. Acima de tudo aproveite a viagem! A viagem com as crianças pode nos apresentar surpresas indesejáveis. Em algum momento pode ser trabalhosa, cansativa e, por conta disso, causar um pouco de desânimo. No entanto, mamãe, não se deixe abater. Lembre-se que a viagem foi planejada para curtir momentos agradáveis ao lado da família. Se em algum ponto as coisas não saírem conforme o planejado, pare, respire fundo e retome as “rédeas” da situação com tranquilidade para que as coisas entrem nos eixos novamente. Siga as dicas anteriores e as chances da viagem sair conforme o planejamento, sem imprevistos e situações desagradáveis aumentarão substancialmente.

Curtindo a viagem!

Agora confira as dicas das demais mamães participantes da blogagem coletiva.

,

Guia da Carretera Austral: principais pontos turísticos

Nossa viagem pela Carretera Austral foi muito rápida, pois tínhamos disponíveis somente 23 dias. Portanto não conseguimos explorar adequadamente as inúmeras atrações desse roteiro.

Praticamente toda a carretera possui paisagens que encantam o viajante, portanto é difícil apontar suas principais atrações.

A seguir destacamos os lugares de que mais gostamos.


Termas El Amarillo

Está localizada a 25km ao sul de Chaitén, dentro do Parque Pumalin. Para chegar ao local se desvia 5km da carretera, através de uma estrada de rípio em bom estado. As termas estão abertas ao público durante todo o ano. As águas aquecidas são provenientes do vulcão Michimahuida e têm temperaturas médias de 52ºC. O local possui infraestrutura turística, com hotel, camping e cabanas. A entrada nas termas custa CLP 3.800,00 (R$17,90) por pessoa.

Mesmo com muito frio e chovendo pode-se aproveitar para tomar um relaxante banho quente ao ar livre em uma das piscinas do local.


Parque Nacional Queulat (Vestiquero Colgante)

O parque possui fácil acesso, sendo que a guarita do guarda parques está distante a apenas 1km da carretera. O acesso está a 20km ao sul de Puyuhuapi. O parque está a uma altitude de 2255m e possui algumas trilhas de diferentes dificuldades, tais como Sendero Laguna Témpanos, Sendero El Aluvión, Sendero Mirador Panorámico e Sendero Río Guillermo.

A principal atração do local é o espetacular Vestiquero Colgante, que é uma geleira suspensa na montanha que forma quedas d`água provenientes de seu degelo. A trilha que leva ao mirador é de pouca dificuldade e pode ser feita até mesmo por crianças. A vista desde o mirador é de tirar o fôlego. Pode-se percorrer uma trilha mais longa (2h30 na ida e 1h30 na volta) que leva a um local mais próximo da geleira.


Capillas de Mármol

Possivelmente seja o passeio mais famoso e desejado pelos viajantes da carretera. As formações rochosas mais famosas são: Cabeza de Perro, Cavernas de Mármol, Catedral de Mármol e Capilla de Mármol. O local é acessível através de um passeio de barco de 1h30 que parte do povoado Puerto Río Tranquilo. Em frente ao posto de combustíveis da cidade estão as tendas de onde se compra o passeio. Não é necessário reserva antecipada. Vá bem agasalhado, pois o frio é intenso.


Lago Bertrand

Saindo de Puerto Tranquilo, logo em seguida, está o Lago Bertrand. É um lago de cor azulada que vai margeando a estrada e dando um toque especial as paisagens juntamente com as montanhas ao fundo.


Lago General Carrera/Buenos Aires (Paso Chile Chico)

Este lago é compartilhado pelo Chile (onde é chamado de General Carrera) e pela Argentina (chamado de Buenos Aires). Possuiu uma superfície de 1850km quadrados e 590 metros de profundidade máxima.

Parte de seu entorno é percorrido pelas rutas 265 (no Chile) e RP43 (na Argentina), interligando as cidades de Chile Chico e Los Antiguos. A ruta 265 é em rípio em ótimo estado e a RP43 está pavimentada.

O trecho que conecta a Carretera Austral até Chile Chico, costeando o lago, é foi um dos trechos mais deslumbrantes de nossa viagem. Nosso camping selvagem na localidade de Fachinal, distante 48km de Chile Chico, foi com certeza o momento mais especial de nossa aventura.


Parque Patagônia (Paso Robalos)

Em um desvio de 15Km da carretera, se encontra a administração e camping do Parque Patagônia, junto ao Paso Robalos.
O Paso Robalos é um estrada pouco utilizada que une Chile a Argentina, acessível durante todo o ano. Possui altitude máxima de 715m em relação ao nível do mar.
Fomos ao parque para levar as crianças para ver os guanacos.


Rio Baker

O Rio Baker é o mais caudaloso do Chile e suas águas possuem uma impressionante cor verde esmeralda. O rio, que tem sua origem no Lago Bertrand e segue até Caleta Tortel, é outro ponto obrigatório para quem viaja para esta região do Chile. Com uma extensão de 200 quilômetros, Rio Baker é uma ótima opção para as práticas esportivas e de recreação. Devido a velocidade de suas águas é indicado para a pesca com mosca, rafting e o caiaque de rio.


Caleta Tortel

Caleta Tortel é um povoado com pouco mais de 500 habitantes localizado há 125Km de Cochrane e 23km da ruta principal (ruta 7). Caleta Tortel é um lugar sem ruas com somente passarelas e escadarias de madeira pelas quais é feita toda a locomoção. Em sua extensão são cerca de 7,5Km de passarelas e escadarias. As casas se localizam na encosta das montanhas. Cerca de 80% da superfície do pequeno povoado corresponde a áreas silvestres protegidas. A estrada que dava acesso aos povoado estava em condições ruins, com muitas pedras soltas.


Para mais informações sobre a carretera austral acesse os demais links do nosso guia.

Guia da Carretera Austral: aspectos gerais

Guia da Carretera Austral: carro mais adequado para a viagem

Guia da Carretera Austral: travessias de balsa

Guia da Carretera Austral: condições da estrada

Guia da Carretera Austral: postos de combustíveis

Guia da Carretera Austral: vale a pena ir até Villa O’Higgins?

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

,

Guia da Carretera Austral: travessias de balsa

Devido a geografia da região, para percorrer a Carretera Austral é necessário o uso de balsas em 4 pontos da estrada. Por este motivo ela é classificada como uma “ruta bimodal”. Em todos os pontos as balsas funcionam diariamente durante o ano todo, variando somente a frequência dependendo da época.

Apesar da necessidade das balsas, com um pouco de organização e planejamento, não há muito com o que se preocupar. O mais importante é ter em mente que, devido a grande parte da carretera ser em rípio, é difícil prever o tempo para percorrer cada trecho. Devido as variações climáticas e o estado do rípio, o tempo de descolamento varia muito. Portanto deve-se sempre ter um bom tempo de folga para chegar aos pontos de travessias das balsas, pois um pneu furado, trechos da estrada interrompidos, problemas mecânicos, chuvas fortes, deslizamentos ou quedas de árvores podem acarretar em uma grande diferença no horário de chegada.

A figura abaixo mostra a localização das travessias de balsa da carretera.

Mapa que mostra a localização das balsas da Carretera Austral

Mapa que mostra a localização das balsas da Carretera Austral

A seguir apresentamos mais informações sobre os pontos de travessia das balsas. Eles estão ordenados considerando uma viagem do norte para o sul.

* 1ª balsa (Estuario Reloncavi: Caleta La Arena <-> Caleta Puelche)

Essa travessia é a que apresenta maior disponibilidade de horários, pois as balsas partem a cada 30 minutos praticamente 24h por dia.

Balsa entre Caleta La Arena e Caleta Puelche

 

Trecho Estuario Reloncavi: Caleta La Arena <-> Caleta Puelche
Distância 11km
Tempo 30 min
Custo CLP 9.500,00 (R$45,00) – carros e caminhonete (não há custos adicionais pelos passageiros)
Horários Das 6h às 0h (saídas a cada 30 minutos). Depois da meia-noite os horários são mais restritos. Veja figura abaixo.
Reserva Não há como reservar, o embarque é por ordem de chegada e a compra da passagem é feita dentro da balsa.
Mais informações http://www.navierapuelche.cl/tarifaestuario.html
Travessia Estuario Reloncavi: preços e horários março/2017 (consulte o site oficial para obter informações atualizadas)

Travessia Estuario Reloncavi: preços e horários março/2017 (consulte o site oficial para obter informações atualizadas)

 

* 2ª balsa (Hornopirén <-> Leptepú)
  3ª balsa (Fiordo Largo <-> Caleta Gonzalo)

Estas duas travessias são as que precisam de maior planejamento, pois há disponibilidade de somente 1 a 2 balsas por dia. A notícia boa é que a consulta de horários, a compra e o pagamento das passagens (via cartão de crédito internacional) podem ser realizados pela internet, diretamente no site da transportadora. A impressão dos ticket também pode ser feita pela internet, assim, ao chegar no porto, basta apresentá-lo e embarcar. Desta forma não há preocupação com a ordem de chegada ou fila para entrar no barco. De qualquer forma, a empresa solicita que se chegue ao porto com 2h de antecedência. Como nós compramos a passagem para o horário das 8h30, chegamos na noite anterior e dormimos no porto.

Balsa entre Hornopirén e Leptepú

Em nosso caso, como não conseguimos imprimir o ticket com antecedência, então tivemos que fazer a impressão no escritório da empresa junto ao porto. Acordamos às 6h30, porém os funcionários somente chegaram às 7h30. O ideal é já levar tudo impresso, evitando assim ter que chegar com mais antecedência ainda no porto e enfrentar o frio na fila para ser atendido no escritório e fazer a impressão.

Conforme a época do ano há necessidade de fazer reserva com alguns dias de antecedência. Em nossa viagem ficamos acompanhando pelo site a disponibilidade de vagas. Na época constatamos que com um dia de antecedência ainda era possível comprar a passagem. No dia em que atravessamos foi possível comprar a passagem até mesmo na hora e ainda sobrou vagas na balsa.

Dependendo do tamanho do barco, há disponibilidade de travessia de até 500 pessoas e 100 carros de uma vez só. Portanto a balsa realmente é muito grande.

Parte externa da balsa que faz o trajeto entre Hornopirén e Leptepú

Sala para os passageiros da balsa que faz o trajeto entre o Fiordo Largo e Caleta Gonzalo

No site da transportadora deve-se adquirir a passagem com origem em Hornopirén e chegada em Galeta Gonzalo, pois o ticket vale para os 2 trechos de balsa (Hornopirén a Leptepú, depois de Fiordo Largo a Caleta Gonzalo). Saindo da balsa em Leptepú, segue-se por terra com o carro por cerca de 10km e entra-se na próxima balsa em Fiordo Largo. Nessa travessia não precisa nem mostrar o ticket. Todos os carros saem da balsa em Leptepú e seguem em fila até o próximo barco em Fiordo Largo, que fica aguardando a chegada de todos os veículos para poder partir.

Trechos Trecho A: Hornopirén <-> Leptepú

Trecho B: Fiordo Largo <-> Caleta Gonzalo

Distância A: 61km

B: 9km

Tempo A: 4h 15min

B: 45 min

Custo total A+B: CPL 49.500,00 (R$233,00) – carro mais passageiros (2 adultos e 2 crianças). O valor depende do tipo de veículo e da faixa etária dos passageiros.
Horários De 1 a 2 horários por dia. Como muda muito, sugerimos consultar o site da transportadora.
Reserva Fazer a reserva pelo site da transportadora com antecedência mínima de 24h. Dependendo da demanda é necessário uma antecedência maior.
Mais informações Transportes Austral – http://www.taustral.cl

Balsa entre Fiordo Largo e Caleta Gonzalo

* 4ª balsa (Fiordo Mitchell: Puerto Yungay <-> Rampa Río Bravo)

Como as demais, esta balsa funciona diariamente durante o ano todo. Junto ao locais de travessia praticamente não há infraestrutura. No acesso a balsa do lado de Puerto Yungay somente há a rampa para a entrada da balsa, algumas casas e uma lanchonete. Do outro lado, em Río Bravo, no caminho para O’Higgins, somente há a rampa e um banheiro (em condições bem ruins).
A balsa possui cerca de 12 vagas (considerando carros pequenos) e a vaga é garantida pela ordem de chegada. Portanto é recomendável chegar com ao menos 1h de antecedência. Evite pegar o último horário da balsa, pois se não conseguir vaga ou não chegar a tempo, não há hospedagem em nenhum dos lados do Fiordo Mitchell.

Balsa entre Puerto Yungay e Rampa Río Bravo

 

Trecho Fiordo Mitchell: Puerto Yungay <-> Rampa Río Bravo
Distância 19km
Tempo 45 min
Custo gratuita (esta travessia é subsidiada pelo governo chileno)
Horários Alta temporada (dezembro a março) – diariamente

Puerto Yungay -> Río Bravo 10:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 11:00 hrs
Puerto Yungay -> Río Bravo 12:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 13:00 hrs
Puerto Yungay -> Río Bravo 15:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 16:00 hrs
Puerto Yungay -> Río Bravo 18:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 19:00 hrs

______________________________

Baixa temporada (abril a novembro) – diariamente

Puerto Yungay -> Río Bravo 10:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 11:00 hrs
Puerto Yungay -> Río Bravo 12:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 13:00 hrs
Puerto Yungay -> Río Bravo 17:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 18:00 hrs

Reserva Não há como reservar, o embarque é feito por ordem de chegada.
Mais informações Somarco – http://www.barcazas.cl/barcazas/wp/?page_id=18

IMPORTANTE:

Os tempos de travessias indicados neste post são apenas estimativas, pois podem variar conforme as condições climáticas de cada região.
A frequência de horários das travessias varia conforme a época do ano e podem mudar de uma hora para outra. Sugerimos consultar com antecedência os sites das respectivas transportadoras, os quais estão indicados aqui no post.

Para mais informações sobre a carretera austral acesse os demais links do nosso guia.

Guia da Carretera Austral: aspectos gerais

Guia da Carretera Austral: carro mais adequado para a viagem

Guia da Carretera Austral: principais pontos turísticos

Guia da Carretera Austral: condições da estrada

Guia da Carretera Austral: postos de combustíveis

Guia da Carretera Austral: vale a pena ir até Villa O’Higgins?

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

,

Guia da Carretera Austral: carro mais adequado para a viagem

Devido ao grande percurso em rípio, o “ideal” são carros mais altos e com rodas maiores, tal como pickups, SUVs e crossovers. Mas isto é apenas uma recomendação para que se tenha maior conforto e menor desgaste no carro. Quanto maior a roda do carro, menor será a trepidação devido aos buracos e costelas de boi. A grande maioria dos aventureiros que percorrem a carretera utilizam pickups e SUVs. Os moradores destas regiões também dificilmente andam com carros menores.

A necessidade de uso de tração 4×4 é quase nula, pois a estrada é firme o suficiente para permitir a circulação de qualquer tipo de veículo. Portanto pode-se fazer toda a carretera com um carro convencional sem maiores dificuldades, desde que tenha uma altura normal em relação ao solo. Apesar de boa parte do percurso ser em rípio, dificilmente se encontram pedras grandes na estrada que poderiam danificar o cárter ou algum outro componente da parte inferior do carro.

A carretera austral pode ser percorrida com um carro de passeio convencional

De qualquer forma, ao utilizar um carro convencional deve-se sempre dirigir com mais atenção para desviar de pedras e buracos maiores, evitando assim uma surpresa desagradável na viagem.

Pode-se percorrer toda a carretera mesmo com um carro com motor 1.0. Os leitores que nos acompanham sabem que utilizávamos em nossas outras viagens um Prisma 1.4 2007 e um Classic 1.0 2013. Pela nossa experiência, qualquer um destes dois carros poderiam ser utilizados para percorrer a ruta 7. Obviamente que o carro iria sofrer um pouco devido as condições da estrada, mas não há nada que impeçam seu uso. Dúvida? Clique aqui e veja então o relato de um viajante que foi de Uno Mille.

Para mais informações sobre a carretera austral acesse os demais links do nosso guia.

Guia da Carretera Austral: aspectos gerais

Guia da Carretera Austral: travessias de balsa

Guia da Carretera Austral: principais pontos turísticos

Guia da Carretera Austral: condições da estrada

Guia da Carretera Austral: postos de combustíveis

Guia da Carretera Austral: vale a pena ir até Villa O’Higgins?

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.


,

Guia da Carretera Austral: aspectos gerais

caHá muitos anos queríamos percorrer a famosa e enigmática Carretera Austral. Enfim, em dezembro de 2016, partirmos para lá. Foi uma viagem de 23 dias e cerca de 8.500km rodados. Foi nessa viagem que estreamos nosso novo carro (Chevrolet S10) e o camper Duaron. Acreditamos que o momento foi perfeito, já que o uso do camper compensou pouca de infraestrutura da região.

A Carretera Austral, oficialmente chamada de Ruta 7, está localizada no sul do Chile (regiões de Los Lagos e Aysén) e conecta as cidade de Puerto Montt e Villa O’Higgins. Esta última cidade é a porta de entrada do Campo de Hielo Sur. Atualmente carretera possui 1255km, sendo que cerca de 769km desses não estão pavimentados.

Lago General Carrera na chegada a Puerto Tranquilo

Ao longo da estrada a altitude varia entre 200 e 2000m, podendo cair neve até mesmo no verão. As temperaturas na região são baixas e as chuvas estão presentes durante todo o ano.

Sua construção foi iniciada em 1976 durante o governo militar de Pinochet. Os militares levaram mais de 20 anos para abrirem a estrada. A obra está localizada em um território com características geográficas bastante complicadas, junto a Cordilheira dos Andes. Sua construção ainda é um enorme desafio de engenharia, já que a região possui campos de gelos, rios, lagos, montanhas e florestas. Ao percorrê-la é fácil entender a complexidade desse projeto.

A pavimentação iniciou na década de 90, mas ainda segue em ritmo lento. Para se ter uma ideia, durante o ano de 2015 foram asfaltados somente 24km.

O asfalto na Carretera Austral

A carretera está em constante manutenção, pois são comuns os desmoronamentos, quedas de árvores e chuvas que podem algumas vezes causar interdições temporárias. Diversos trechos estão sendo asfaltados, de forma que o tráfego pode também estar interditado em alguns horários para a continuidade das obras.

Na figura abaixo selecionamos um mapa para que vocês possam entender melhor o roteiro. O mapa indica inclusive quais trechos da carretera estão asfaltados. Se você desejar um mapa mais detalhado clique aqui.

 

Mapa resumido da Carretera Austral (clique na imagem para ampliar)

Mapa resumido da Carretera Austral (clique na imagem para ampliar)

 

Resolvemos fazer uma série de posts sobre este maravilhoso destino, os quais estamos chamando de Guia da Carretera Austral. Com isso pretendemos tirar as principais dúvidas e ajudar no planejamento de quem quer se aventurar por lá.

Dinheiro

Recomendamos levar todo o valor para cobrir os gastos da viagem pela carretera em dinheiro em espécie. Obviamente que deve-se levar em pesos chilenos, pois é difícil fazer câmbio na região. As maiores cidades da carretera são Puerto Montt, com 220 mil habitantes, e Coyhaique, com cerca de 50 mil. Embora haja caixas eletrônicos em algumas cidades menores, por segurança, somente considere encontrar caixas e câmbio nestas duas cidades. O pagamento de despesas com cartão de crédito também dificilmente será possível nos demais povoados.

Também deve-se levar em conta que despesas inesperadas podem ocorrer, tal como um problema mecânico. Portanto é prudente levar dinheiro para gastos extras. Nossa sugestão é se precaver com pelo menos o equivalente a R$1 mil.

Hospedagem e alimentação

Ao longo da carretera existem hospedagens de diversos tipos e padrões, tais como pousadas, campings e albergues. O verão é a alta temporada, sendo que fevereiro é o mês em que a região recebe mais turistas. Portanto para não haver surpresas, nesta época é recomendável fazer suas reservas de hospedagem com antecedência. Esta dica é essencial para garantir as hospedagens de melhor custo-benefício e para economizar tempo tentando encontrar um bom lugar para pernoitar e ou mesmo a possibilidade de ficar sem acomodação.

Época ideal para percorrer a carretera

Muitos viajantes acreditam que somente é possível viajar pela carretera no verão. No entanto isto não é verdade. A primavera e outono são ótimas épocas para se aventurar por lá. Durante a primavera o caminho fica repleto de flores, o que torna o caminho ainda mais encantador. No outono é o colorido das folhas das árvores que impressionam os viajantes. A vantagem da viagem no verão são as melhores condições climáticas, maior disponibilidade de balsas e menor probabilidade de problemas com a neve.

Boa parte da estrada é de rípio e passa em meio a mata fechada

Acesso a internet

A subsecretaria de telecomunicações juntamente com os governos regionais do Chile colocaram a disposição vários pontos de internet wi-fi, de acesso gratuito, espalhados pelo país. O Wi-Fi ChileGob é um projeto que visa ajudar a melhorar o acesso nos lugares mais vulneráveis do Chile que possuem poucas alternativas de conectividade. Para informações sobre as zonas com wi-fi gratuita clique aqui.

Essa é uma ótima alternativa para acesso a internet, especialmente, em uma região de pouca infraestrutura de comunicação como a carretera austral. Nós utilizamos essa internet em várias zonas da carretera e constatamos a facilidade do uso e a boa velocidade de acesso da rede.

Além disso, compramos um chip da entel que, segundo informações que coletamos na internet, é a operadora de internet mais rápida do país. O chip é barato, custou 2 mil pesos chilenos o que equivale, na cotação atual, a cerca de R$10,00. É muito fácil utilizar, uma vez que não há necessidade de realizar nenhum tipo de cadastro e, depois de inserido no celular e ativado o número de acesso, basta inserir os créditos para sair utilizando. A partir de um valor X de crédito adquirido é possível acessar algumas redes sociais de forma ilimitada. Também é aconselhavel escolher um plano que se adeque melhor ao uso do chip. Nós optamos por utilizar somente internet e escolhemos um plano específico para acesso a rede com validade de um mês o que foi mais do que o suficiente para o nosso uso (cerca de 10 dias). Há sinal da operadora em todas as cidades da carretera. O chip adquirimos em Pucón, pois não saberíamos se encontraríamos na carretera. Por outro lado, recarregar os créditos é muito fácil, pois são encontrados em minimercados de todas as cidades da carretera austral.

Para mais informações sobre a carretera austral acesse os demais links do nosso guia.

Guia da Carretera Austral: carro mais adequado para a viagem

Guia da Carretera Austral: travessias de balsa

Guia da Carretera Austral: principais pontos turísticos

Guia da Carretera Austral: condições da estrada

Guia da Carretera Austral: postos de combustíveis

Guia da Carretera Austral: vale a pena ir até Villa O’Higgins?

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

,

[Aventura de Outros Viajantes] Casal gaúcho percorre 18 estados nos EUA

Hoje apresentamos um relato de viagem diferente. Na verdade nem tão diferente assim… O que tem de diferente é o local, que é fora da América do Sul, pois todos os outros relatos encontrados aqui nesse blog é dentro da nossa América.

Logo abaixo vocês vão ler um texto leve e bem humorado que relata a grande aventura da Fernanda e do Gilberto que passaram um tempo percorrendo os Estados Unidos de carro. No total foram 2 meses e 18 estados. No relato a Fernanda destaca o roteiro percorrido, os lugares visitados e alguns perrengues enfrentados. Viagem boa sempre tem perrengue, não é mesmo? Então, vamos curtir um pouquinho os EUA aos olhos desse casal gaúcho?

Agradecemos a Fernanda e o Gilberto pela colaboração e disponibilidade em contar como foi a sua viagem para nós e nossos leitores. Temos certeza que servirá de inspiração para muitos que tem o desejo ou sonho de explorar os EUA de carro!

Viajantes: Fernanda Schena e Gilberto Matiotti

Período: 60 dias

Local de Partida: New York

Quilometragem total: 12.000 Km

Países visitados: Estados Unidos (18 estados)

Veículo: Cruze e Jeep

Malas prontas, passagem na mão: chegou a hora! O roteiro da viagem foi (quase) todo preparado pelo meu marido, meu bedelho estava presente na parte que dizia: povo AMISH. Dois meses para voar as tranças pelos EUA, percorrer 18 estados, sugar todo conhecimento possível e nos divertir. Lá fomos nós. Uma jornalista que não falava inglês e um marido que serviu incansáveis (e lindos) dias como google tradutor.

Quem não lembra de uma viagem marcante? Independente do destino sair da rotina sempre traz novas histórias para contar. E do que é feita a nossa vida se não de um grande livro aberto pronto para ser escrito com as mais loucas histórias?

Essa foi a viagem que mais nos marcou até agora. Não só pelo fato de ser a mais longa fora de casa (foram dois meses), ou por ser fora do país. Mas pelos pequenos detalhes que foram acontecendo no desenrolar dos dias e, claro, porque éramos só nós dois vendo o sol nascer na estrada e a lua cheia iluminando as noites claras. Teve dias silenciosos e dias de barulho. Teve bagunça só nossa. E os melhores sorrisos iam se fazendo presentes.

De New York até a Califórnia dirigindo. Da Califórnia até a Florida voando. 60 dias de risadas, de corre pro hospital mal da barriga no meio da madrugada, de “sorry,i dont speak english”, de muito fast food e quilos a mais, de festival de piadas no carro, de policial dizendo que nossa carteira não valia nada para eles… Ah! Pois é, uma viagem não pode ser contada só pelas partes boas. Mas juuuro que tentarei me concentrar nas partes boas. Confesso que adoro um drama!

Carregando curiosidade e frio na barriga e motivados por muito café com panqueca e bacon seguíamos cada dia mais impressionados com o que víamos. Cada km percorrido a sensação de liberdade nos fazia mais felizes. Vegetação, comidas típicas do sul, pântanos, estradas com 5 pistas, donuts deliciosos, só de descrever isso bate uma sensação louca de ‘queria estar lá de novo’.

O roteiro foi o seguinte: New York, Pennsylvania, DC Washington, Delaware, New Jersey, Maryland, Virginia, Carolina do Norte, Tennessee, Mississipi, Louisiana, Texas, Oklahoma, New Mexico, Arizona, Nevada, Califórnia, Flórida. Boa parte do caminho fizemos a Rota 66.

Alugamos o primeiro carro em NY e fomos com ele até o Texas. Lá trocamos a caranga. Pegamos um jeep pra encarar o deserto até a Califórnia. Os hotéis que nos hospedamos eram escolhidos no momento que chegamos nas cidades. Sempre optando pelas redes mais simples e que ficavam fora da cidade para facilitar a saída no dia seguinte.

Depois de todo aquele sonho que é NY fomos até a praia de Hamptons. Curtimos aquela água gelada (óteeema) e seguimos para Pennsylvania. Bóra conhecer os costumes do povo amish! Chegando em Lancaster, a maior concentração desse povo de costumes tão peculiar, já nos deparamos com famílias em suas charretes. Eu, encantada, abanava para todos, e eles retribuíam o gesto. Não existe estar frente a frente com essa cultura e não comparar com a nossa vida. A simplicidade é evidente. Eles não usufruem de energia elétrica, e seu lema é “Be in the world, not of the world”. E assim, o fazem. Vivem como se estivessem no século XVI. Uma luz e gentileza que nos enche os olhos e o coração!

Bueno, continuando as andanças no clima de paz e amor fomos parados por um policial que dizia que nossa carteira de habilitação internacional não valia nada pra eles. Trememos na base, mas no fim ele nos liberou. Já que estamos falando da parte bad da viagem… Uma dica que vale ouro: o pacote de seguro saúde que eles oferecem é fundamental para quem vai ficar mais dias por lá. Eu fiquei mal, fui para o hospital e desembolsei 500 dólares. Se tivesse pago o seguro tinha lucrado. Mas enfim, fiquei bem no dia seguinte e seguimos viagem cantarolando e agradecendo.

Washington, Filadelfia, NY e New Orleans foram os lugares que mais provamos comidas diferentes. Sabe aqueles reality de competições dos melhores lugares: pois então, fomos em todos que conseguimos. Provamos por exemplo o tal po-boy e amamos!! Ele é feito numa baguete de pão francês e o recheio tradicional é o rosbife.

O cajun e creole em nossos pratos ardiam e ascendiam todos os sentidos. New Orleans, que apesar de ser considerada uma das cidades mais perigosas nos EUA, nos recebeu muito bem. Uma cidade que foi devastada pelo furacão Katrina em 2005 e que ainda sente os prejuízos enquanto tenta se reerguer. Com seus shows de jazz à noite vira uma bagunça. Nos hospedamos, por brincadeira sem graça do meu marido, num hotel mal assombrado. Só fiquei sabendo quando saímos. Quase tive um treco.

No Tennessee, as cidades de Nashville, Chatanooga e Memphis com sua alma musical laçaram o coração do marido. Em Memphis visitamos a casa de Elvis Presley e demos sorte, estávamos na semana do aniversário da morte dele, onde várias homenagens foram prestadas por fãs do mundo todo. Esse estado tem uma alma jovem e uma energia eletrizante. Preciso citar que em Nashville tem o famoso café LoveLess e sua deliciosa comida americana, com um toque sulista.

Teria muito mais a contar. Gran Cânion, Las Vegas, Texas e suas cidades fantasmas (texolas). O Texas foi uma surpresa com sua modernidade. Não que esperássemos ver caubóis… Interrompendo minha linha de concentração, meu marido está me obrigando a contar que sim, eu esperava ver caubóis. Gente! Deem um desconto, sou pisciana, sonhadora e fantasio o que eu quiser na minha cabecinha. Porque assim a vida tem mais graça e não sou obrigada a chegar no Texas e não ver caubói!!! Em protesto comprei bota e desfilei por lá! Ora bolas…

Ainda no Texas teve uma cidade que nos marcou muito, San Antonio! A cidade é toda romântica, uma fofura!

Bem, chegando na Califórnia teve todo aquele glamour de Los Angeles, Malibu, Venice, Santa Monica e Hollywood, mas a cereja do bolo foi a linda San Francisco. De uma arquitetura excêntrica, o berço da cultura hippie me pegou de jeito. Me apaixonei pelas cores e pelos ares anos 70. Toquei a campainha de uma das casas que morou Janes Joplin e sai correndo me sentindo pirralha (me julguem!), fiz arte muda pelas ruas, comprei nuns brechós muito loucos e fui muito feliz!

Meu marido fez uma planilha com os dias que ficaríamos em cada lugar, quais atrações iríamos ver, a quilometragem de uma cidade até a outra. Esse planejamento tinha que dar certo porque nossa passagem de avião da Califórnia até a Flórida já estava comprada. Mesmo com algumas mudanças sobraram dois dias para aproveitar em Los Angeles.

Entre uma lambida e outra nos deliciosos sorvetes Ben e Jerry atravessamos boa parte dos EUA. Cada estado foi especial de uma maneira. Nossa última parada foi a Disney. E eu que nunca esperava conhecer e nem tinha esse sonho quase chorei no Magic Kingdom. Foi revigorante estar lá, compartilhando daquela energia e sentindo aquela euforia de criança que estava adormecida.

Claro que as melhores lembranças estão na memória, e, por mais que a gente descreva nunca é a mesma coisa. Assim como as melhores fotografias ficam guardadas no coração e não presas em flash automático com filtros perfeitos. Uma viagem a dois, seja pra onde for, só é boa se as duas almas estiverem serenas e juntas no mesmo ritmo. Tem que ajudar e estar disposto. Tem que ser companheiro mesmo que tu prefira a roda gigante e ele a montanha russa. Aprender a curtir o momento do outro tranquilo e na paz é coisa linda de viver!

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.