Posts

, ,

Preços dos combustíveis na Argentina, Chile e Uruguai (jan/2017)

Aproveitamos nossa viagem para a Carretera Austral/Chile, agora entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017, para coletar os preços dos combustíveis pelos países que passamos: Argentina, Chile e Uruguai.

Abastecendo em um posto selfservice em Puerto Montt (Chile): equipamento aceita dinheiro e cartão de crédito

Abastecendo em um posto self service em Puerto Montt (Chile): equipamento aceita dinheiro e cartão de crédito

Abaixo segue a tabela com os preços atualizados:

País Combustível Preço (R$) Data
Min Max
Brasil [1]
Gasolina Comum  3,60 Jan/2017
Gasolina Comum aditivada Jan/2017
Gasolina Premium Jan/2017
Etanol/Álcool  3,50 Jan/2017
Diesel  2,76 Jan/2017
Argentina
Patagônia
Nafta Normal (grado 1)  –  –
Nafta Super (grado 2) 2,74 2,98 Jan/2017
Nafta Premium (grado 3) 3,14 3,46 Jan/2017
Diesel 500 2,78 3,32 Jan/2017
Euro Diesel 3,42 3,76 Jan/2017
GNC 1,99 Jan/2017
Demais regiões
Nafta Normal (grado 1)  –  –
Nafta Super (grado 2) 3,97 4,30 Jan/2017
Nafta Premium (grado 3) 4,37 4,78 Jan/2017
Diesel 500 3,47 3,58 Jan/2017
Euro Diesel 4,08 4,78 Jan/2017
GNC
Chile Carretera Austral
Gasolina 93 3,92 4,19 Jan/2017
Gasolina 95 4,11 4,38 Jan/2017
Gasolina 97 4,30 4,59 Jan/2017
Diesel 2,84 3,12 Jan/2017
Diesel K 3,05 3,21 Jan/2017
Demais regiões
Gasolina 93 3,54 3,73 Jan/2017
Gasolina 95 3,71 3,86 Jan/2017
Gasolina 97 3,88 4,07 Jan/2017
Diesel 2,47 2,67 Jan/2017
Diesel K 3,04 3,10 Jan/2017
Uruguai [3] Nafta Super 95 30-S  5,08 5,08 Jan/2017
Nafta Premium 30-S  5,27 5,27 Jan/2017
Gas Oil 50-S  4,62 4,62 Jan/2017
Gas Oil 10-S  5,88 5,88 Jan/2017

Aproveite e dê uma olhada na página Combustível para consultar os preços atualizados para a Bolívia, Paraguai e Peru.

Separamos os preços da Carretera Austral no Chile e na Patagônia na Argentina, pois os preços possuem uma variação significativa nestas regiões.

Em relação a gasolina, desconsiderando a Patagônia Argentina (onde os combustíveis são subsidiados pelo governo), o Brasil está com o menor preço deste combustível.

Em relação ao diesel, o Chile possuiu o menor preço em relação aos demais países que passamos: R$2,47 foi o valor mais barato que encontramos. Este valor é inferior até mesmo ao preço na Patagônia Argentina (R$2,78).

O Uruguai, como sempre, apresenta os maiores preços, tanto da gasolina quanto do diesel. Os preços nesse país são tabelados pelo governo (ANCAP – Administración Nacional de Combustibles, Alcohol y Portland) e portanto são os mesmos em todas as regiões. Para não pagar tão caro, geralmente abastecemos o carro antes de entrar no país.

Posto na Carretera Austral/Chile

Posto na Carretera Austral – La Junta/Chile

Apesar de sempre haver pequenas filas para abastecimento nos postos da Argentina, não há falta de combustíveis pelas regiões que passamos. A única cidade onde observamos uma fila significativa para abastecer foi em Junin de Los Andes. Mas nós havíamos abastecido nosso carro na noite do dia anterior e não haviam filas nos postos desta cidade. Ouvimos falar de falta de combustíveis nas proximidades de Neuquén, pois ocorreu um incêndio que devastou uma área significativa na região e algumas estradas foram interditadas. Quando passamos por lá as estradas estavam liberadas e os postos de combustíveis estavam abastecidos.

Fila para abastecer em Junin de Los Andes/Argentina

Fila para abastecer em Junin de Los Andes/Argentina

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

Dia 11 (01/01/15) La Paz/Bolívia –> Copacabana/Bolívia

Hoje foi o dia de dar adeus a La Paz. Esperamos que seja apenas um até breve para a grande cidade boliviana, pois saímos sem visitar muitos lugares interessantes!

La Paz nos surpreendeu muito, especialmente por sua geografia e a verdadeira selva de pedra criada pelas construções encravadas em um vale em plena Cordilheira dos Andes. A região metropolitana possui mais de 2,3 milhões de habitantes. A partir da parte alta da cidade, a vista do intenso caldeirão formado nas encostas das montanhas chega a ser intrigante. Para nós foi sensacional.

Geralmente evitamos grandes cidade e, quem nos acompanha há mais tempo, já deve ter percebido isso. As metrópoles possuem trânsito muito intenso e, geralmente, as paisagens, parques e locais turísticos que temos mais interesse estão localizados nas cidades do interior. Mas La Paz, foi um caso a parte… Com certeza é a cidade mais impressionante que já conhecemos!

Dirigir no relevo de La Paz é um desafio a parte. Com o aumento da população, a cidade subiu as montanhas, resultando em diferentes altitudes que vão desde os 3.200 aos 4.100 m. Algumas ruas são tão íngrimes que são utilizadas somente para descer as encostas, enquanto para as subidas são utilizadas ruas que vão serpenteando as montanhas de forma a reduzir a inclinação. Agora imagine dirigir nessa geografia em meio aos cerca de 1.5 milhões de veículos que estão registrados na metrópole. Outro grande desafio é encarar a forma de dirigir dos motoristas bolivianos. Eles são muito competitivos no trânsito e disputam cada centímetro das ruas. Demora-se um bom tempo tempo para se adaptar, mas aos poucos pega-se o jeito. A buzina é a forma comunicação entre os motoristas. Se você quiser entrar em uma rua ou entre 2 outros carros, não espere que eles dê-em a preferência, pois isso nunca vai acontecer. Tem que ir enfiando o carro na frente dos outros, caso contrário nunca vais sair do lugar. Obviamente que para fazer isto deve se ter certeza que os outros motoristas entejam vendo que vais entrar na frente deles, caso contrário é acidente na certa.

De qualquer forma, dirigir por La Paz, ou mesmo por outros lugares na Bolívia, não é algo impossível para nós estrangeiros (como muitos acham). Basta termos cuidado e irmos aos poucos entendendo como o trânsito funciona. Depois de algum tempo você se acostuma e vai estar buzinando feito um louco (risos) e conseguirá enfrentar aquela zona toda.

Na verdade, deve-se tomar muito mais cuidados nas estradas, pois os bolivianos dirigem de forma muito imprudente. Eles ultrapassam nas curvas, sem visibilidade nenhuma, e não ficam atrás de veículos mais lentos nem por 5 segundos. Portanto, dê a preferência para eles, saia da frente, vá para o acostamento, mas deixem eles passarem. Além disso tudo, um grande número de carros por lá rodam em estado bem precário, o que nos faz querer estar bem longe deles na hora que ocorrer um problema mecânico.

Tínhamos um certo temor na hora que tivéssemos que sair da cidade. Pois quando chegamos havíamos descido uma rua bem íngreme. Na hora de sair teríamos que fazer o mesmo caminho em sentido contrário, enfrentando uma longa subida. Portanto, uma coisa boa em termos ficado um dia a mais em La Paz é que a nossa saída foi em um feriado, ou seja, com pouco movimento de carros no centro da cidade. Ainda mais pela manhã, que o povo ainda está se recuperando da festa de virada do ano. Então, para se livrar do conturbado trânsito da capital boliviana, foi muito bom chegar em um domingo e ir embora em um feriado. Meio que sem querer, o nosso roteiro ficou muito bom para evitar o conturbado trânsito de La Paz.

Uma dica importante para quem vem de carro para a La Paz é verificar bem onde estará localizado o local de hospedagem. Caso não pretenda dirigir muito na cidade (o que com certeza é uma boa ideia), procure uma hospedagem na parte alta da cidade e que fique próxima das rodovias de acesso. Na verdade, nós não nos atentamos muito para isso na hora de efetuar a reserva e acabamos tendo um pouco de sorte na localização da nossa hospedagem (Landscape B&B). Além de ser uma zona de mais fácil acesso, também é bem tranquila, além de ter mercado e restaurante há poucas quadras, podendo ir a pé. A estação amarela do teleférico estava distante cerca de 5 minutos de carro de onde nos hospedamos.

Durante sua estada em Laz Paz, sugerimos também deixar o carro na garagem e aproveitar os preços baixos dos táxis e teleférico para circular pela cidade.

IMG_6056

Ruas de La Paz praticamente desertas na manhã do dia primeiro de janeiro

DSC_9396

Despedida do grande caldeirão de La Paz

DSC_9393

Muitos carros estacionados, mas pouco movimento nas ruas

Logo após tomarmos o café da manhã, arrumarmos nossa bagagem e partimos em direção a pequena cidade de Copacabana, localizada às margens do Lago Titicaca, ainda na Bolívia próxima da fronteira com o Peru.

Hoje foi o dia em que tivemos o nosso primeiro contato com grande lago. O Titicaca era, sem dúvidas, uma das grandes expectativas da nossa viagem. E isso não só por parte de nós adultos, mas também do Felipe, que queria muito conhecê-lo.

O Lago Titicaca está localizado na fronteira entre o Peru e a Bolívia. Ele tem cerca de 8300 km² e sua superfície está a 3821m acima do nível do mar. Ele tem uma profundidade média de 140 a 180m e uma profundidade máxima de 280m. É o lago com o maior volume de água do nosso continente. Possui 41 ilhas, algumas delas são densamente povoadas. Cerca de 25 rios que deságuam nele. O lago Titicaca é alimentado pela água das chuvas e pelo degelo das geleiras que rodeiam o altiplano. Sua temperatura média varia entre 5,7 a 10,7ºC.

DSC_9604

A imensidão do Lago Titicaca

Nosso roteiro foi: La Paz->(RN2)->El Alto->Batallas->Huarina->Huatajata->San Pablo de Tiquina->[balsa]->San Pedro de Tiquina->Copacabana. A distância total percorrida foi de 153km.

Na saída de La Paz, mesmo sendo feriado, havia um grande movimento de veículos. Até efetivamente sair de La Paz o trânsito era bem intenso, por todos os lados haviam muitos carros, vans e pedestres.

As condições da estrada (ruta RN2) até Copacabana são muito boas. Há alguns postos de combustíveis neste trecho. No entanto, não conseguimos abastecer em nenhum deles devido a estarmos em um carro estrangeiro. Não tínhamos tido dificuldades em abastecer no caminho entre Villazón-Potosí-Oruro-La Paz.

Devido a uma regulamentação do governo da Bolívia, o preço do combustível para estrangeiros é diferente do cobrado aos bolivianos. O preço para estrangeiros é de 8,68 bolivianos (R$3,37) o litro, enquanto que para os bolivianos custa 3,74 bolivianos (R$1,45). Desta forma, os postos precisam emitir um recibo de forma manual e, na maioria deles, esses formulários não estão disponíveis. Como os turistas com veículos estrangeiros são raros no país, os postos não tem interesse em abastecê-los.

Devido a isso, a solução para os carros estrangeiros é abastecer em “tiendas” (pequenas mercearias) que ficam à beira da estrada. Para identificar quais mercearias vendem combustíveis, basta prestar atenção se há galões (geralmente de óleo para motor) empilhados do lado de fora. Para descobrir quais mercearias vendem combustível, basta prestar atenção se existem tunéis de combustível na frente do estabelecimento ou garrafas de óleo de motor. Acreditamos que este tipo de comércio seja proibido, por isso os comerciantes não colocam placas indicativas. Outra forma é ir parando e perguntando às pessoas onde pode-se comprar combustível. Nossa dica na Bolívia é abastecer sempre que o tanque chegar na metade, evitando assim maiores problemas.

Devido a proibição, seja discreto na hora de questionar ao proprietário da mercearia se ele vende combustível. Eles são desconfiados e podem se negar a vender para você. Evite tirar fotos do local enquanto eles tiverem abastecendo.

Nós abastecemos em Huarina em uma destas “tiendas”. O vendedor queria nos vender o combustível por 9 bolivianos o litro. Pechinchamos e ele nos fez por 8 bolivianos (cerca de R$3,11), valor que normalmente é cobrado para carro estrangeiro nos postos de combustíveis que emitem o recibo. Abastecemos 30 litros. Assim que começamos a abastecer, apareceram uma moto e um carro estrangeiros a procura de gasolina.

Neste trecho da viagem é possível contemplar belíssimas paisagens, bem daquele jeito que fazem as viagens de carro valer muito a pena. Muitas montanhas e picos nevados deixam as paisagens ainda mais interessante. Quando chegamos em Tiquina, esperamos poucos minutos em uma pequena fila para pegar a balsa para atravessar o chamado Estrecho de Tiquina. O local de travessia fica junto a ruta RN2. É fácil de encontrar, pois o lago corta a rodovia.

Enquanto aguardávamos, ficamos apreciando os festejos bolivianos. Haviam danças de rua com trajes típicos em comemoração ao primeiro dia do ano.

A travessia foi muito tranquila, apesar das condições das balsas. Essa, com certeza, foi a travessia mais precária que já realizamos. Algumas das balsas estão literalmente caindo aos pedaços. O barco que usamos não tinha parte do piso, e tivemos que ter cuidado para não deixar o carro cair no enorme buraco que existia. Apesar das condições intimidarem um pouquinho no começo, logo desencanamos e ficamos aproveitando o passeio.

A travessia, normalmente, ocorre entre das 5 às 21h. A saída das balsas é frequente, não sendo necessário aguardar mais do que 15 minutos. O percurso é rápido e leva em torno de 20 minutos. Pagamos o valor de 40 bolivianos, o que corresponde a aproximadamente R$22,00.

DSC_9405

Fila para a travessia do Estrecho de Tiquina

DSC_9419

Comemorações típicas do ano novo

DSC_9421

Feiras de rua no dia da festa em comemoração ao novo ano

DSC_9424

Balsas para a travessia do Estrecho de Tiquina

DSC_9467

A precariedade das balsas

DCIM101GOPRO

Embarcando…

DSC_9439

Embarcado. Dois veículos por vez.

DSC_9461

Curtindo a travessia de balsa.

DSC_9436

Travessia do Estrecho de Tiquina.

DSC_9474

Travessia do Estrecho de Tiquina

DSC_9465

Travessia do Estrecho de Tiquina

DSC_9443

Balsa no Estrecho de Tiquina

DSC_9483

Balsas no Estrecho de Tiquina

DSC_9488

No outro lado do Estrecho de Tiquina

DSC_9514

Nós!

DSC_9526

<3

DSC_9493

No outro lado do Estrecho de Tiquina

DSC_9486

No outro lado do Estrecho de Tiquina

DCIM101GOPRO

No outro lado do Estrecho de Tiquina

DSC_9496

Posando para a foto no Estrecho de Tiquina

DSC_9504

Posando para a foto no Estrecho de Tiquina

Logo após atravessarmos o estreito, numa parada para fotografar, encontramos um motoqueiro brasileiro solitário que havia se dispersado do seu grupo para ir a Copacabana. Após uma breve conversa seguimos viagem.

Dirigimos mais 2h e chegamos a Copacabana. A paisagem é realmente surpreendente! O lago Titicaca é realmente imenso e a impressão é que ele não tem fim, se perde no horizonte.

Na ruta RN2 pagamos dois pedágios de 8 e 2 bolivianos. Na chegada de Copacabana pagamos mais uma taxa de 10 bolivianos, cobrada por policiais.

DSC_9541

Vista do lago Titicaca após a travessia

DSC_9531

Vista do lago Titicaca após a travessia

DSC_9576

Vista do lago Titicaca após a travessia

DSC_9539

Vista do lago Titicaca após a travessia

DSC_9561

Vista do lago Titicaca após a travessia

DSC_9621

Chegando em Copacabana

DSC_9622

Chegando em Copacabana

DCIM101GOPRO

Chegando em Copacabana

DSC_9624

Chegando em Copacabana

DCIM101GOPRO

Chegando em Copacabana

DSC_9576

Vista do lago Titicaca na chegada a Copacabana

DSC_9586

Vista do lago Titicaca na chegada a Copacabana

DSC_9580

Vista do lago Titicaca na chegada a Copacabana

Logo que chegamos fomos procurar o hotel que havíamos reservado e, após nos acomodarmos, saimos para jantar em um restaurante próximo. Nos hospedamos no Hotel Utama.

No retorno ao hotel pedimos informações sobre os passeios realizados para Isla del Sol. Decidimos não fazer o passeio de um dia inteiro, pois consideramos que seria muito cansativo com as crianças. Optamos pelo passeio somente no turno da tarde, o qual iríamos contratar na zona central, próxima às margens do lago, no dia seguinte.

 

Procurando onde se hospedar em Copacabana? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

Tem interesse em efetuar uma reserva? Antes de reservar a sua hospedagem utilize os links do Booking do nosso blog ou fanpage e colabore conosco! Não há nenhum acréscimo de valor e nós ganhamos uma pequena comissão por cada reserva efetuada que irá auxiliar na manutenção do nosso blog.

 

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

Posto de combustível da rede PECSA (Peru)
, ,

Dificuldade em abastecer o carro fora do Brasil

O Chile possui um bom número de postos de combustíveis em suas cidades e rodovias. A maioria deles possui uma infraestrutura em bom estado. Por todo o país não ha dificuldade em pagar o combustível com cartões de crédito, mesmo que seja com chip.

A Argentina e Uruguai também possuem um bom número de postos de combustíveis. No entanto, principalmente nas rodovias, os postos estão em mau estado de conservação e há uma grande dificuldade de pagamento com cartões de crédito (ainda mais se for com chip).

Posto da rede Esso (Santa Fe/Argentina)

Posto da rede Esso (Santa Fe/Argentina)

Nos postos da Argentina, filas para abastecer são comuns. Atualmente (ano de 2015) as filas estão bem menores. Nas viagens que fizemos em 2011 e 2012 havia uma crise de combustíveis em boa parte do país. Era muito comum encontrar postos em que não havia combustível e, nos que haviam, as filas eram enormes. Chegamos a ficar mais de uma hora em filas para abastecer. Em nossas viagens de 2014 e 2015 não chegamos a encontrar postos com falta de combustível, mas, em compensação, os preços estão muito mais altos que no Brasil. Em janeiro de 2012 o preço médio da gasolina (nafta super – grado 2) custava R$ 2,12. Atualmente (janeiro/2015) está custando R$4,02, quase o dobro.

O Peru possuiu um bom número de postos de combustível. A aceitação de cartões de crédito, mesmo com chip, é tão boa quanto no Brasil ou Chile. O estado dos postos que varia muito e é comum encontrar muitos em condições bem precárias.

Abastecendo no Peru

Abastecendo no Peru

Abastecer na Bolívia é um problema. Em nossa viagem em janeiro de 2015 não tivemos dificuldades em abastecer no caminho entre Villazón-Potosí-Oruro-La Paz. No entanto, no trecho entre La Paz e Copacabana, nenhum posto quis nos vender gasolina. Devido a uma regulamentação do governo da Bolívia, o preço do combustível para estrangeiros é diferente do cobrado aos bolivianos. O preço para estrangeiros é de 8,68 bolivianos (R$3,37) o litro, enquanto que para os bolivianos custa 3,74 bolivianos (R$1,45). E para vender combustível para os estrangeiros é preciso de um recibo, que a maioria dos postos não têm. Acabamos tendo que abastecer em uma mercearia (tienda) à beira da estrada. O dono do estabelecimento nos vendeu 30 litros ao custo de 8 bolivianos cada (cerca de R$3,11). Assim que começamos a abastecer, apareceram vários outros estrangeiros a procura de gasolina. Para descobrir quais mercearias vendem combustível, basta prestar atenção se existem tunéis de combustível na frente do estabelecimento ou garrafas de óleo de motor. Acreditamos que este tipo de comércio seja proibido, por isso os comerciantes não colocam placas indicativas. Outra forma é ir parando e perguntando às pessoas onde pode-se comprar combustível. Nossa dica na Bolívia é abastecer sempre que o tanque chegar na metade, evitando assim maiores problemas.

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais:

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro. 

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.