Posts

, ,

Preços dos combustíveis na Argentina, Chile e Uruguai (jan/2017)

Aproveitamos nossa viagem para a Carretera Austral/Chile, agora entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017, para coletar os preços dos combustíveis pelos países que passamos: Argentina, Chile e Uruguai.

Abastecendo em um posto selfservice em Puerto Montt (Chile): equipamento aceita dinheiro e cartão de crédito

Abastecendo em um posto self service em Puerto Montt (Chile): equipamento aceita dinheiro e cartão de crédito

Abaixo segue a tabela com os preços atualizados:

País Combustível Preço (R$) Data
Min Max
Brasil [1]
Gasolina Comum  3,60 Jan/2017
Gasolina Comum aditivada Jan/2017
Gasolina Premium Jan/2017
Etanol/Álcool  3,50 Jan/2017
Diesel  2,76 Jan/2017
Argentina
Patagônia
Nafta Normal (grado 1)  –  –
Nafta Super (grado 2) 2,74 2,98 Jan/2017
Nafta Premium (grado 3) 3,14 3,46 Jan/2017
Diesel 500 2,78 3,32 Jan/2017
Euro Diesel 3,42 3,76 Jan/2017
GNC 1,99 Jan/2017
Demais regiões
Nafta Normal (grado 1)  –  –
Nafta Super (grado 2) 3,97 4,30 Jan/2017
Nafta Premium (grado 3) 4,37 4,78 Jan/2017
Diesel 500 3,47 3,58 Jan/2017
Euro Diesel 4,08 4,78 Jan/2017
GNC
Chile Carretera Austral
Gasolina 93 3,92 4,19 Jan/2017
Gasolina 95 4,11 4,38 Jan/2017
Gasolina 97 4,30 4,59 Jan/2017
Diesel 2,84 3,12 Jan/2017
Diesel K 3,05 3,21 Jan/2017
Demais regiões
Gasolina 93 3,54 3,73 Jan/2017
Gasolina 95 3,71 3,86 Jan/2017
Gasolina 97 3,88 4,07 Jan/2017
Diesel 2,47 2,67 Jan/2017
Diesel K 3,04 3,10 Jan/2017
Uruguai [3] Nafta Super 95 30-S  5,08 5,08 Jan/2017
Nafta Premium 30-S  5,27 5,27 Jan/2017
Gas Oil 50-S  4,62 4,62 Jan/2017
Gas Oil 10-S  5,88 5,88 Jan/2017

Aproveite e dê uma olhada na página Combustível para consultar os preços atualizados para a Bolívia, Paraguai e Peru.

Separamos os preços da Carretera Austral no Chile e na Patagônia na Argentina, pois os preços possuem uma variação significativa nestas regiões.

Em relação a gasolina, desconsiderando a Patagônia Argentina (onde os combustíveis são subsidiados pelo governo), o Brasil está com o menor preço deste combustível.

Em relação ao diesel, o Chile possuiu o menor preço em relação aos demais países que passamos: R$2,47 foi o valor mais barato que encontramos. Este valor é inferior até mesmo ao preço na Patagônia Argentina (R$2,78).

O Uruguai, como sempre, apresenta os maiores preços, tanto da gasolina quanto do diesel. Os preços nesse país são tabelados pelo governo (ANCAP – Administración Nacional de Combustibles, Alcohol y Portland) e portanto são os mesmos em todas as regiões. Para não pagar tão caro, geralmente abastecemos o carro antes de entrar no país.

Posto na Carretera Austral/Chile

Posto na Carretera Austral – La Junta/Chile

Apesar de sempre haver pequenas filas para abastecimento nos postos da Argentina, não há falta de combustíveis pelas regiões que passamos. A única cidade onde observamos uma fila significativa para abastecer foi em Junin de Los Andes. Mas nós havíamos abastecido nosso carro na noite do dia anterior e não haviam filas nos postos desta cidade. Ouvimos falar de falta de combustíveis nas proximidades de Neuquén, pois ocorreu um incêndio que devastou uma área significativa na região e algumas estradas foram interditadas. Quando passamos por lá as estradas estavam liberadas e os postos de combustíveis estavam abastecidos.

Fila para abastecer em Junin de Los Andes/Argentina

Fila para abastecer em Junin de Los Andes/Argentina

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

Posto de combustível da rede PECSA (Peru)
, ,

Dificuldade em abastecer o carro fora do Brasil

O Chile possui um bom número de postos de combustíveis em suas cidades e rodovias. A maioria deles possui uma infraestrutura em bom estado. Por todo o país não ha dificuldade em pagar o combustível com cartões de crédito, mesmo que seja com chip.

A Argentina e Uruguai também possuem um bom número de postos de combustíveis. No entanto, principalmente nas rodovias, os postos estão em mau estado de conservação e há uma grande dificuldade de pagamento com cartões de crédito (ainda mais se for com chip).

Posto da rede Esso (Santa Fe/Argentina)

Posto da rede Esso (Santa Fe/Argentina)

Nos postos da Argentina, filas para abastecer são comuns. Atualmente (ano de 2015) as filas estão bem menores. Nas viagens que fizemos em 2011 e 2012 havia uma crise de combustíveis em boa parte do país. Era muito comum encontrar postos em que não havia combustível e, nos que haviam, as filas eram enormes. Chegamos a ficar mais de uma hora em filas para abastecer. Em nossas viagens de 2014 e 2015 não chegamos a encontrar postos com falta de combustível, mas, em compensação, os preços estão muito mais altos que no Brasil. Em janeiro de 2012 o preço médio da gasolina (nafta super – grado 2) custava R$ 2,12. Atualmente (janeiro/2015) está custando R$4,02, quase o dobro.

O Peru possuiu um bom número de postos de combustível. A aceitação de cartões de crédito, mesmo com chip, é tão boa quanto no Brasil ou Chile. O estado dos postos que varia muito e é comum encontrar muitos em condições bem precárias.

Abastecendo no Peru

Abastecendo no Peru

Abastecer na Bolívia é um problema. Em nossa viagem em janeiro de 2015 não tivemos dificuldades em abastecer no caminho entre Villazón-Potosí-Oruro-La Paz. No entanto, no trecho entre La Paz e Copacabana, nenhum posto quis nos vender gasolina. Devido a uma regulamentação do governo da Bolívia, o preço do combustível para estrangeiros é diferente do cobrado aos bolivianos. O preço para estrangeiros é de 8,68 bolivianos (R$3,37) o litro, enquanto que para os bolivianos custa 3,74 bolivianos (R$1,45). E para vender combustível para os estrangeiros é preciso de um recibo, que a maioria dos postos não têm. Acabamos tendo que abastecer em uma mercearia (tienda) à beira da estrada. O dono do estabelecimento nos vendeu 30 litros ao custo de 8 bolivianos cada (cerca de R$3,11). Assim que começamos a abastecer, apareceram vários outros estrangeiros a procura de gasolina. Para descobrir quais mercearias vendem combustível, basta prestar atenção se existem tunéis de combustível na frente do estabelecimento ou garrafas de óleo de motor. Acreditamos que este tipo de comércio seja proibido, por isso os comerciantes não colocam placas indicativas. Outra forma é ir parando e perguntando às pessoas onde pode-se comprar combustível. Nossa dica na Bolívia é abastecer sempre que o tanque chegar na metade, evitando assim maiores problemas.

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais:

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro. 

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.