Posts

,

Guia da Carretera Austral: principais pontos turísticos

Nossa viagem pela Carretera Austral foi muito rápida, pois tínhamos disponíveis somente 23 dias. Portanto não conseguimos explorar adequadamente as inúmeras atrações desse roteiro.

Praticamente toda a carretera possui paisagens que encantam o viajante, portanto é difícil apontar suas principais atrações.

A seguir destacamos os lugares de que mais gostamos.


Termas El Amarillo

Está localizada a 25km ao sul de Chaitén, dentro do Parque Pumalin. Para chegar ao local se desvia 5km da carretera, através de uma estrada de rípio em bom estado. As termas estão abertas ao público durante todo o ano. As águas aquecidas são provenientes do vulcão Michimahuida e têm temperaturas médias de 52ºC. O local possui infraestrutura turística, com hotel, camping e cabanas. A entrada nas termas custa CLP 3.800,00 (R$17,90) por pessoa.

Mesmo com muito frio e chovendo pode-se aproveitar para tomar um relaxante banho quente ao ar livre em uma das piscinas do local.


Parque Nacional Queulat (Vestiquero Colgante)

O parque possui fácil acesso, sendo que a guarita do guarda parques está distante a apenas 1km da carretera. O acesso está a 20km ao sul de Puyuhuapi. O parque está a uma altitude de 2255m e possui algumas trilhas de diferentes dificuldades, tais como Sendero Laguna Témpanos, Sendero El Aluvión, Sendero Mirador Panorámico e Sendero Río Guillermo.

A principal atração do local é o espetacular Vestiquero Colgante, que é uma geleira suspensa na montanha que forma quedas d`água provenientes de seu degelo. A trilha que leva ao mirador é de pouca dificuldade e pode ser feita até mesmo por crianças. A vista desde o mirador é de tirar o fôlego. Pode-se percorrer uma trilha mais longa (2h30 na ida e 1h30 na volta) que leva a um local mais próximo da geleira.


Capillas de Mármol

Possivelmente seja o passeio mais famoso e desejado pelos viajantes da carretera. As formações rochosas mais famosas são: Cabeza de Perro, Cavernas de Mármol, Catedral de Mármol e Capilla de Mármol. O local é acessível através de um passeio de barco de 1h30 que parte do povoado Puerto Río Tranquilo. Em frente ao posto de combustíveis da cidade estão as tendas de onde se compra o passeio. Não é necessário reserva antecipada. Vá bem agasalhado, pois o frio é intenso.


Lago Bertrand

Saindo de Puerto Tranquilo, logo em seguida, está o Lago Bertrand. É um lago de cor azulada que vai margeando a estrada e dando um toque especial as paisagens juntamente com as montanhas ao fundo.


Lago General Carrera/Buenos Aires (Paso Chile Chico)

Este lago é compartilhado pelo Chile (onde é chamado de General Carrera) e pela Argentina (chamado de Buenos Aires). Possuiu uma superfície de 1850km quadrados e 590 metros de profundidade máxima.

Parte de seu entorno é percorrido pelas rutas 265 (no Chile) e RP43 (na Argentina), interligando as cidades de Chile Chico e Los Antiguos. A ruta 265 é em rípio em ótimo estado e a RP43 está pavimentada.

O trecho que conecta a Carretera Austral até Chile Chico, costeando o lago, é foi um dos trechos mais deslumbrantes de nossa viagem. Nosso camping selvagem na localidade de Fachinal, distante 48km de Chile Chico, foi com certeza o momento mais especial de nossa aventura.


Parque Patagônia (Paso Robalos)

Em um desvio de 15Km da carretera, se encontra a administração e camping do Parque Patagônia, junto ao Paso Robalos.
O Paso Robalos é um estrada pouco utilizada que une Chile a Argentina, acessível durante todo o ano. Possui altitude máxima de 715m em relação ao nível do mar.
Fomos ao parque para levar as crianças para ver os guanacos.


Rio Baker

O Rio Baker é o mais caudaloso do Chile e suas águas possuem uma impressionante cor verde esmeralda. O rio, que tem sua origem no Lago Bertrand e segue até Caleta Tortel, é outro ponto obrigatório para quem viaja para esta região do Chile. Com uma extensão de 200 quilômetros, Rio Baker é uma ótima opção para as práticas esportivas e de recreação. Devido a velocidade de suas águas é indicado para a pesca com mosca, rafting e o caiaque de rio.


Caleta Tortel

Caleta Tortel é um povoado com pouco mais de 500 habitantes localizado há 125Km de Cochrane e 23km da ruta principal (ruta 7). Caleta Tortel é um lugar sem ruas com somente passarelas e escadarias de madeira pelas quais é feita toda a locomoção. Em sua extensão são cerca de 7,5Km de passarelas e escadarias. As casas se localizam na encosta das montanhas. Cerca de 80% da superfície do pequeno povoado corresponde a áreas silvestres protegidas. A estrada que dava acesso aos povoado estava em condições ruins, com muitas pedras soltas.


Para mais informações sobre a carretera austral acesse os demais links do nosso guia.

Guia da Carretera Austral: aspectos gerais

Guia da Carretera Austral: carro mais adequado para a viagem

Guia da Carretera Austral: travessias de balsa

Guia da Carretera Austral: condições da estrada

Guia da Carretera Austral: postos de combustíveis

Guia da Carretera Austral: vale a pena ir até Villa O’Higgins?

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

,

Guia da Carretera Austral: travessias de balsa

Devido a geografia da região, para percorrer a Carretera Austral é necessário o uso de balsas em 4 pontos da estrada. Por este motivo ela é classificada como uma “ruta bimodal”. Em todos os pontos as balsas funcionam diariamente durante o ano todo, variando somente a frequência dependendo da época.

Apesar da necessidade das balsas, com um pouco de organização e planejamento, não há muito com o que se preocupar. O mais importante é ter em mente que, devido a grande parte da carretera ser em rípio, é difícil prever o tempo para percorrer cada trecho. Devido as variações climáticas e o estado do rípio, o tempo de descolamento varia muito. Portanto deve-se sempre ter um bom tempo de folga para chegar aos pontos de travessias das balsas, pois um pneu furado, trechos da estrada interrompidos, problemas mecânicos, chuvas fortes, deslizamentos ou quedas de árvores podem acarretar em uma grande diferença no horário de chegada.

A figura abaixo mostra a localização das travessias de balsa da carretera.

Mapa que mostra a localização das balsas da Carretera Austral

Mapa que mostra a localização das balsas da Carretera Austral

A seguir apresentamos mais informações sobre os pontos de travessia das balsas. Eles estão ordenados considerando uma viagem do norte para o sul.

* 1ª balsa (Estuario Reloncavi: Caleta La Arena <-> Caleta Puelche)

Essa travessia é a que apresenta maior disponibilidade de horários, pois as balsas partem a cada 30 minutos praticamente 24h por dia.

Balsa entre Caleta La Arena e Caleta Puelche

 

Trecho Estuario Reloncavi: Caleta La Arena <-> Caleta Puelche
Distância 11km
Tempo 30 min
Custo CLP 9.500,00 (R$45,00) – carros e caminhonete (não há custos adicionais pelos passageiros)
Horários Das 6h às 0h (saídas a cada 30 minutos). Depois da meia-noite os horários são mais restritos. Veja figura abaixo.
Reserva Não há como reservar, o embarque é por ordem de chegada e a compra da passagem é feita dentro da balsa.
Mais informações http://www.navierapuelche.cl/tarifaestuario.html
Travessia Estuario Reloncavi: preços e horários março/2017 (consulte o site oficial para obter informações atualizadas)

Travessia Estuario Reloncavi: preços e horários março/2017 (consulte o site oficial para obter informações atualizadas)

 

* 2ª balsa (Hornopirén <-> Leptepú)
  3ª balsa (Fiordo Largo <-> Caleta Gonzalo)

Estas duas travessias são as que precisam de maior planejamento, pois há disponibilidade de somente 1 a 2 balsas por dia. A notícia boa é que a consulta de horários, a compra e o pagamento das passagens (via cartão de crédito internacional) podem ser realizados pela internet, diretamente no site da transportadora. A impressão dos ticket também pode ser feita pela internet, assim, ao chegar no porto, basta apresentá-lo e embarcar. Desta forma não há preocupação com a ordem de chegada ou fila para entrar no barco. De qualquer forma, a empresa solicita que se chegue ao porto com 2h de antecedência. Como nós compramos a passagem para o horário das 8h30, chegamos na noite anterior e dormimos no porto.

Balsa entre Hornopirén e Leptepú

Em nosso caso, como não conseguimos imprimir o ticket com antecedência, então tivemos que fazer a impressão no escritório da empresa junto ao porto. Acordamos às 6h30, porém os funcionários somente chegaram às 7h30. O ideal é já levar tudo impresso, evitando assim ter que chegar com mais antecedência ainda no porto e enfrentar o frio na fila para ser atendido no escritório e fazer a impressão.

Conforme a época do ano há necessidade de fazer reserva com alguns dias de antecedência. Em nossa viagem ficamos acompanhando pelo site a disponibilidade de vagas. Na época constatamos que com um dia de antecedência ainda era possível comprar a passagem. No dia em que atravessamos foi possível comprar a passagem até mesmo na hora e ainda sobrou vagas na balsa.

Dependendo do tamanho do barco, há disponibilidade de travessia de até 500 pessoas e 100 carros de uma vez só. Portanto a balsa realmente é muito grande.

Parte externa da balsa que faz o trajeto entre Hornopirén e Leptepú

Sala para os passageiros da balsa que faz o trajeto entre o Fiordo Largo e Caleta Gonzalo

No site da transportadora deve-se adquirir a passagem com origem em Hornopirén e chegada em Galeta Gonzalo, pois o ticket vale para os 2 trechos de balsa (Hornopirén a Leptepú, depois de Fiordo Largo a Caleta Gonzalo). Saindo da balsa em Leptepú, segue-se por terra com o carro por cerca de 10km e entra-se na próxima balsa em Fiordo Largo. Nessa travessia não precisa nem mostrar o ticket. Todos os carros saem da balsa em Leptepú e seguem em fila até o próximo barco em Fiordo Largo, que fica aguardando a chegada de todos os veículos para poder partir.

Trechos Trecho A: Hornopirén <-> Leptepú

Trecho B: Fiordo Largo <-> Caleta Gonzalo

Distância A: 61km

B: 9km

Tempo A: 4h 15min

B: 45 min

Custo total A+B: CPL 49.500,00 (R$233,00) – carro mais passageiros (2 adultos e 2 crianças). O valor depende do tipo de veículo e da faixa etária dos passageiros.
Horários De 1 a 2 horários por dia. Como muda muito, sugerimos consultar o site da transportadora.
Reserva Fazer a reserva pelo site da transportadora com antecedência mínima de 24h. Dependendo da demanda é necessário uma antecedência maior.
Mais informações Transportes Austral – http://www.taustral.cl

Balsa entre Fiordo Largo e Caleta Gonzalo

* 4ª balsa (Fiordo Mitchell: Puerto Yungay <-> Rampa Río Bravo)

Como as demais, esta balsa funciona diariamente durante o ano todo. Junto ao locais de travessia praticamente não há infraestrutura. No acesso a balsa do lado de Puerto Yungay somente há a rampa para a entrada da balsa, algumas casas e uma lanchonete. Do outro lado, em Río Bravo, no caminho para O’Higgins, somente há a rampa e um banheiro (em condições bem ruins).
A balsa possui cerca de 12 vagas (considerando carros pequenos) e a vaga é garantida pela ordem de chegada. Portanto é recomendável chegar com ao menos 1h de antecedência. Evite pegar o último horário da balsa, pois se não conseguir vaga ou não chegar a tempo, não há hospedagem em nenhum dos lados do Fiordo Mitchell.

Balsa entre Puerto Yungay e Rampa Río Bravo

 

Trecho Fiordo Mitchell: Puerto Yungay <-> Rampa Río Bravo
Distância 19km
Tempo 45 min
Custo gratuita (esta travessia é subsidiada pelo governo chileno)
Horários Alta temporada (dezembro a março) – diariamente

Puerto Yungay -> Río Bravo 10:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 11:00 hrs
Puerto Yungay -> Río Bravo 12:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 13:00 hrs
Puerto Yungay -> Río Bravo 15:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 16:00 hrs
Puerto Yungay -> Río Bravo 18:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 19:00 hrs

______________________________

Baixa temporada (abril a novembro) – diariamente

Puerto Yungay -> Río Bravo 10:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 11:00 hrs
Puerto Yungay -> Río Bravo 12:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 13:00 hrs
Puerto Yungay -> Río Bravo 17:00 hrs
Río Bravo –> Puerto Yungay 18:00 hrs

Reserva Não há como reservar, o embarque é feito por ordem de chegada.
Mais informações Somarco – http://www.barcazas.cl/barcazas/wp/?page_id=18

IMPORTANTE:

Os tempos de travessias indicados neste post são apenas estimativas, pois podem variar conforme as condições climáticas de cada região.
A frequência de horários das travessias varia conforme a época do ano e podem mudar de uma hora para outra. Sugerimos consultar com antecedência os sites das respectivas transportadoras, os quais estão indicados aqui no post.

Para mais informações sobre a carretera austral acesse os demais links do nosso guia.

Guia da Carretera Austral: aspectos gerais

Guia da Carretera Austral: carro mais adequado para a viagem

Guia da Carretera Austral: principais pontos turísticos

Guia da Carretera Austral: condições da estrada

Guia da Carretera Austral: postos de combustíveis

Guia da Carretera Austral: vale a pena ir até Villa O’Higgins?

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

,

Guia da Carretera Austral: carro mais adequado para a viagem

Devido ao grande percurso em rípio, o “ideal” são carros mais altos e com rodas maiores, tal como pickups, SUVs e crossovers. Mas isto é apenas uma recomendação para que se tenha maior conforto e menor desgaste no carro. Quanto maior a roda do carro, menor será a trepidação devido aos buracos e costelas de boi. A grande maioria dos aventureiros que percorrem a carretera utilizam pickups e SUVs. Os moradores destas regiões também dificilmente andam com carros menores.

A necessidade de uso de tração 4×4 é quase nula, pois a estrada é firme o suficiente para permitir a circulação de qualquer tipo de veículo. Portanto pode-se fazer toda a carretera com um carro convencional sem maiores dificuldades, desde que tenha uma altura normal em relação ao solo. Apesar de boa parte do percurso ser em rípio, dificilmente se encontram pedras grandes na estrada que poderiam danificar o cárter ou algum outro componente da parte inferior do carro.

A carretera austral pode ser percorrida com um carro de passeio convencional

De qualquer forma, ao utilizar um carro convencional deve-se sempre dirigir com mais atenção para desviar de pedras e buracos maiores, evitando assim uma surpresa desagradável na viagem.

Pode-se percorrer toda a carretera mesmo com um carro com motor 1.0. Os leitores que nos acompanham sabem que utilizávamos em nossas outras viagens um Prisma 1.4 2007 e um Classic 1.0 2013. Pela nossa experiência, qualquer um destes dois carros poderiam ser utilizados para percorrer a ruta 7. Obviamente que o carro iria sofrer um pouco devido as condições da estrada, mas não há nada que impeçam seu uso. Dúvida? Clique aqui e veja então o relato de um viajante que foi de Uno Mille.

Para mais informações sobre a carretera austral acesse os demais links do nosso guia.

Guia da Carretera Austral: aspectos gerais

Guia da Carretera Austral: travessias de balsa

Guia da Carretera Austral: principais pontos turísticos

Guia da Carretera Austral: condições da estrada

Guia da Carretera Austral: postos de combustíveis

Guia da Carretera Austral: vale a pena ir até Villa O’Higgins?

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.


,

Guia da Carretera Austral: aspectos gerais

caHá muitos anos queríamos percorrer a famosa e enigmática Carretera Austral. Enfim, em dezembro de 2016, partirmos para lá. Foi uma viagem de 23 dias e cerca de 8.500km rodados. Foi nessa viagem que estreamos nosso novo carro (Chevrolet S10) e o camper Duaron. Acreditamos que o momento foi perfeito, já que o uso do camper compensou pouca de infraestrutura da região.

A Carretera Austral, oficialmente chamada de Ruta 7, está localizada no sul do Chile (regiões de Los Lagos e Aysén) e conecta as cidade de Puerto Montt e Villa O’Higgins. Esta última cidade é a porta de entrada do Campo de Hielo Sur. Atualmente carretera possui 1255km, sendo que cerca de 769km desses não estão pavimentados.

Lago General Carrera na chegada a Puerto Tranquilo

Ao longo da estrada a altitude varia entre 200 e 2000m, podendo cair neve até mesmo no verão. As temperaturas na região são baixas e as chuvas estão presentes durante todo o ano.

Sua construção foi iniciada em 1976 durante o governo militar de Pinochet. Os militares levaram mais de 20 anos para abrirem a estrada. A obra está localizada em um território com características geográficas bastante complicadas, junto a Cordilheira dos Andes. Sua construção ainda é um enorme desafio de engenharia, já que a região possui campos de gelos, rios, lagos, montanhas e florestas. Ao percorrê-la é fácil entender a complexidade desse projeto.

A pavimentação iniciou na década de 90, mas ainda segue em ritmo lento. Para se ter uma ideia, durante o ano de 2015 foram asfaltados somente 24km.

O asfalto na Carretera Austral

A carretera está em constante manutenção, pois são comuns os desmoronamentos, quedas de árvores e chuvas que podem algumas vezes causar interdições temporárias. Diversos trechos estão sendo asfaltados, de forma que o tráfego pode também estar interditado em alguns horários para a continuidade das obras.

Na figura abaixo selecionamos um mapa para que vocês possam entender melhor o roteiro. O mapa indica inclusive quais trechos da carretera estão asfaltados. Se você desejar um mapa mais detalhado clique aqui.

 

Mapa resumido da Carretera Austral (clique na imagem para ampliar)

Mapa resumido da Carretera Austral (clique na imagem para ampliar)

 

Resolvemos fazer uma série de posts sobre este maravilhoso destino, os quais estamos chamando de Guia da Carretera Austral. Com isso pretendemos tirar as principais dúvidas e ajudar no planejamento de quem quer se aventurar por lá.

Dinheiro

Recomendamos levar todo o valor para cobrir os gastos da viagem pela carretera em dinheiro em espécie. Obviamente que deve-se levar em pesos chilenos, pois é difícil fazer câmbio na região. As maiores cidades da carretera são Puerto Montt, com 220 mil habitantes, e Coyhaique, com cerca de 50 mil. Embora haja caixas eletrônicos em algumas cidades menores, por segurança, somente considere encontrar caixas e câmbio nestas duas cidades. O pagamento de despesas com cartão de crédito também dificilmente será possível nos demais povoados.

Também deve-se levar em conta que despesas inesperadas podem ocorrer, tal como um problema mecânico. Portanto é prudente levar dinheiro para gastos extras. Nossa sugestão é se precaver com pelo menos o equivalente a R$1 mil.

Hospedagem e alimentação

Ao longo da carretera existem hospedagens de diversos tipos e padrões, tais como pousadas, campings e albergues. O verão é a alta temporada, sendo que fevereiro é o mês em que a região recebe mais turistas. Portanto para não haver surpresas, nesta época é recomendável fazer suas reservas de hospedagem com antecedência. Esta dica é essencial para garantir as hospedagens de melhor custo-benefício e para economizar tempo tentando encontrar um bom lugar para pernoitar e ou mesmo a possibilidade de ficar sem acomodação.

Época ideal para percorrer a carretera

Muitos viajantes acreditam que somente é possível viajar pela carretera no verão. No entanto isto não é verdade. A primavera e outono são ótimas épocas para se aventurar por lá. Durante a primavera o caminho fica repleto de flores, o que torna o caminho ainda mais encantador. No outono é o colorido das folhas das árvores que impressionam os viajantes. A vantagem da viagem no verão são as melhores condições climáticas, maior disponibilidade de balsas e menor probabilidade de problemas com a neve.

Boa parte da estrada é de rípio e passa em meio a mata fechada

Acesso a internet

A subsecretaria de telecomunicações juntamente com os governos regionais do Chile colocaram a disposição vários pontos de internet wi-fi, de acesso gratuito, espalhados pelo país. O Wi-Fi ChileGob é um projeto que visa ajudar a melhorar o acesso nos lugares mais vulneráveis do Chile que possuem poucas alternativas de conectividade. Para informações sobre as zonas com wi-fi gratuita clique aqui.

Essa é uma ótima alternativa para acesso a internet, especialmente, em uma região de pouca infraestrutura de comunicação como a carretera austral. Nós utilizamos essa internet em várias zonas da carretera e constatamos a facilidade do uso e a boa velocidade de acesso da rede.

Além disso, compramos um chip da entel que, segundo informações que coletamos na internet, é a operadora de internet mais rápida do país. O chip é barato, custou 2 mil pesos chilenos o que equivale, na cotação atual, a cerca de R$10,00. É muito fácil utilizar, uma vez que não há necessidade de realizar nenhum tipo de cadastro e, depois de inserido no celular e ativado o número de acesso, basta inserir os créditos para sair utilizando. A partir de um valor X de crédito adquirido é possível acessar algumas redes sociais de forma ilimitada. Também é aconselhavel escolher um plano que se adeque melhor ao uso do chip. Nós optamos por utilizar somente internet e escolhemos um plano específico para acesso a rede com validade de um mês o que foi mais do que o suficiente para o nosso uso (cerca de 10 dias). Há sinal da operadora em todas as cidades da carretera. O chip adquirimos em Pucón, pois não saberíamos se encontraríamos na carretera. Por outro lado, recarregar os créditos é muito fácil, pois são encontrados em minimercados de todas as cidades da carretera austral.

Para mais informações sobre a carretera austral acesse os demais links do nosso guia.

Guia da Carretera Austral: carro mais adequado para a viagem

Guia da Carretera Austral: travessias de balsa

Guia da Carretera Austral: principais pontos turísticos

Guia da Carretera Austral: condições da estrada

Guia da Carretera Austral: postos de combustíveis

Guia da Carretera Austral: vale a pena ir até Villa O’Higgins?

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

,

A entrega do nosso Camper Duaron [post patrocinado]

Após 4 meses de espera, tempo estipulado para a fabricação do Camper, chegou o grande o dia de recebermos a nossa tão sonhada casa sobre rodas.

Moramos em Pelotas/RS e viajamos para Rio do Sul/SC para recebermos o nosso Camper. A empresa Camper Duaron nos solicitou a disponibilidade de, no mínimo, 3 dias para ficar na cidade com o objetivo de colocar o Camper na camionete, fazer os últimos ajustes, receber um treinamento para aprender a utilizar o equipamento, fazer a vistoria no inmetro e reforço da suspensão da pickup (caso houvesse necessidade).

Nós chegamos na empresa em uma quinta-feira à tarde e saímos no final da manhã de sábado. No final de semana, fomos estrear o nosso Camper e também visitar amigos em Brusque/SC. No entanto, retornamos para a Duaron na segunda-feira, para fazer mais alguns ajustes e novamente levar o carro nna mecânica de molas, devido a necessidade de refazer um dos grampos que evita o desalinhamento das molas.

DSC_5743

Ari Duarte fazendo a entrega do nosso Camper

DSC_5750

Só na expectativa de ver como ficou a parte interna do nosso Camper

DSC_5756 DSC_5757 DSC_5759 DSC_5760 DSC_5762 DSC_5765 DSC_5766 DSC_5767

DSC_5769

No interior do Camper

DSC_5780

Faceiros com a nova casinha

DSC_5790

Testando a cama grande do papai e da mamãe

DSC_5772

Registrando a entrega com Patricia Oliveira e Ari Duarte

DSC_5791

Colocando o Camper na camionete

DSC_5795

Colocando o Camper na camionete

DSC_5797

Colocando o Camper na camionete

DSC_5800

Colocando o Camper na camionete

DSC_5803

Camper pronto colocado na camionete

Em Brusque tivemos a oportunidade de testar todo o equipamento e identificar alguns problemas. Isso acabou sendo muito bom, pois como voltaríamos a Rio do Sul, já seria possível corrigí-los. Dessa forma, consideramos que, havendo tempo disponível, reservar mais dias para o recebimento do Camper é algo bem importante. Há problemas que somente com o uso do equipamento vão ficar evidentes. Um dos problemas que tivemos foi com o escoamento da água do banho. Então, somente ao tomar banho o problema foi apresentado. Com certeza, ter identificado e consertado esses defeitos antes de retornar para casa nos poupou muita dor de cabeça.

IMG_9943

Fabio nos dando um treinamento para conhecer e aprender a utilizar todos os recursos do Camper

IMG_9948

Fabio nos dando um treinamento para conhecer e aprender a utilizar todos os recursos do Camper

IMG_9947

Fabio nos dando um treinamento para conhecer e aprender a utilizar todos os recursos do Camper

IMG_9946

Fabio nos dando um treinamento para conhecer e aprender a utilizar todos os recursos do Camper

IMG_9945

Fabio nos dando um treinamento para conhecer e aprender a utilizar todos os recursos do Camper

IMG_9950

Fabio nos dando um treinamento para conhecer e aprender a utilizar todos os recursos do Camper

IMG_9949

Fabio nos dando um treinamento para conhecer e aprender a utilizar todos os recursos do Camper

Retornamos para Rio do Sul na segunda à tarde e, felizmente, a equipe da Duaron foi incansável até termos todos os problemas que identificamos solucionados. Para que todas as pendências fossem resolvidas, incluindo o retorno à mecânica de molas, foram necessários mais 2 dias. Assim, finalmente, na quarta-feira à tarde fomos liberados para retornar para casa.

DSC_5810

Equipe realizando os últimos ajustes

DSC_5812

Equipe realizando os últimos ajustes

DSC_5816

Quase pronta para ir para casa!

A espera de 4 meses é dura, nos deixa ansiosos e loucos para ter o equipamento em mãos. Mas, mesmo assim, consideramos que esse tempo passou rápido.

Agradecemos à equipe da Duaron, que se dedicou para que o nosso sonho fosse realizado. Nossa casa sobre rodas ficou do jeitinho que a gente sonhou. A nossa casinha é um pouquinho maior do que a original, tem mais 20cm de comprimento e 10cm na largura. Parece pouco, mas essa diferença de espaço, faz toda a diferença. Em breve iremos apresentando todos os detalhes do nosso Camper Duaron.

DSC_5847

Fizemos questão de tirar uma foto com toda a equipe Camper Duaron. Com certeza cada um contribuiu um pouquinho para que o nosso sonho fosse realizado!

Para mais informações:

Acesse o site: http://camperduaron.com.br/

Curta a fanpage: https://www.facebook.com/CamperDuaron/

Se inscreva no canal do You Tube: https://www.youtube.com/channel/UCHGII8vaOj37JU5kA15CHdA

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

8 expectativas ao se viajar com uma casa sobre rodas

Nessa semana vamos buscar o nosso Camper Duaron e, finalmente, teremos a nossa casa sobre rodas. Sempre tivemos o sonho de ter esse tipo de veículo de recreação. Em nossas viagens de carro ficávamos imaginando como seria bom viajar com a própria casa. Por isso resolvemos criar esta lista com todas as nossas expectativas.

Ainda não temos nenhuma experiência viajando com um veículo de recreação que, no nosso caso, será um Camper. Depois de recebermos o nosso Camper e começarmos a realizar viagens mais longas, vamos poder verificar na prática se as nossas expectativas serão de fato confirmadas.

IMG_0586 - Cópia

Camper Hard Top Cabine Dupla. Imagem: acervo Duaron

 

Confira abaixo as nossas 8 expectativas sobre viajar com uma casa sobre rodas:

 

  1. Viajar com a própria casa

Não deve ter nada melhor do que poder viajar com a sua própria casa. Será ótimo poder contar com nosso cantinho e toda a estrutura básica necessária (quarto, cozinha e banheiro) em qualquer lugar para onde se vá.

 

  1. Maior liberdade

Para nós as viagens de carro, por si só, proporcionam maior liberdade. A qualquer momento pode-se parar à beira da estrada e apreciar uma paisagem, tirar uma foto, fazer uma refeição, um piquenique ou simplesmente dar uma esticada nas pernas. As viagens de carro proporcionam uma maior possibilidade de adaptações no roteiro, podendo-se ficar mais ou menos tempo em um lugar, ou até mesmo viajar sem um plano totalmente definido.

No entanto, acreditamos que viajando com uma casa sobre rodas essa liberdade aumentará ainda mais. Com ela poderemos parar em qualquer lugar que seja seguro para pernoitar. Também poderemos curtir uma tarde agradável em um local bacana com ou sem estrutura (no caso dos campings selvagens).

 

  1. Não ter a necessidade de carregar e descarregar as malas

Parece bobagem, mas essa é uma das nossas principais expectativas. Normalmente o nosso ritmo de viagem é trocando de hospedagem a cada, um, dois, três ou, no máximo, quatro dias. Isso é bem desgastante.

Mesmo empregando estratégias para facilitar essa tarefa, como por exemplo, colocando em uma mesma mala mudas de roupas de todos os viajantes com o intuito de minimizar o número de bagagens, essa tarefa é ainda bastante cansativa.

Além das malas, geralmente, temos que descarregar o nosso equipamento eletrônico (câmeras, notebook, etc), geladeira automotiva (para mantê-la ligada em na rede elétrica quando o carro está parado para pernoite). Também temos as crianças, nossas pequenas malinhas, e os seus brinquedos!

No entanto, descarregar não é nada… Pior ainda é reorganizar novamente ao trazer tudo de volta para o carro para poder seguir viagem.

Outra coisa que nos incomoda quando chegamos em um hotel são as diversas ocasiões nas quais esquecemos algo no carro e temos que voltar para buscar… Acredite, com criança, a possibilidade disso acontecer ainda é mais frequente. Esse fato ainda se agrava quando o estacionamento não é no mesmo local do hotel.

Para vocês terem uma ideia, em uma viagem de 30 dias descarregamos e carregamos as bagagens em torno de 12 vezes!

 

  1. Melhor aproveitamento do tempo da viagem

Essa vantagem está diretamente relacionada ao item anterior. Iremos poupar o tempo dedicado para carregar/descarregar as bagagens e encontrar os hotéis previamente reservadas. Também não iremos precisar procurar um local para se hospedar em ocasiões que não temos reservas. Todo esse tempo poderá ser aproveitado para curtir a viagem ou, simplesmente descansar.

Acreditamos que isso torne a viagem mais leve e tranquila. Claro que, mesmo com o Camper, também teremos que procurar locais seguros para estacionar e pernoitar. Porém, acreditamos que com uma casa sobre rodas essa tarefa seja mais simples, quando comparada à procura de uma hospedagem com uma boa relação custo benefício.

Uma vez em Ushuaia passamos uma tarde inteira procurando hospedagem. Estávamos viajando com o Felipe, na época com 1 aninho. Como o percurso havia sido longo para chegar até lá, ficamos com medo de deixar o hotel reservado e não conseguir chegar no dia planejado. Nessa ocasião perdemos uma tarde inteira para encontrar um lugar para dormir, a cidade estava lotada e as hospedagem disponíveis eram muito caras. Felizmente deu tudo certo no final, mas perdemos um tempo precioso da viagem.

 

  1. Melhor qualidade na alimentação

Durante as viagens uma das principais dificuldades é manter uma alimentação adequada. Além de comer bem também precisamos economizar, pois o custo com alimentação pode ser muito elevado se optarmos em fazer as refeições sempre em restaurantes.

Mesmo assim, nem sempre os alimentos são adequados aos que estamos acostumados, especialmente, ao hábito alimentar das crianças. Por exemplo, na Argentina, os pratos mais econômicos quase sempre incluem batata frita e arroz é bem difícil de encontrar.

Em nossas viagens procuramos cozinhar sempre que ficamos hospedados em locais com cozinha compartilhada, mas isso acaba acontecendo na minoria dos dias. A cozinha do Camper certamente irá contribuir de forma muito positiva, pois poderemos cozinhar com maior frequência, escolher os nossos alimentos e ter uma alimentação mais adequada e com maior qualidade para a nossa família.

 

DSCN5394

Cozinha do Camper Hard Top Cabine Dupla. Imagem: acervo Duaron

 

  1. Maior economia

Essa também é uma das nossas expectativas: economizar com hospedagem e alimentação. Com o Camper temos o intuito de não pagar para pernoitar. A princípio, pelo menos na grande maioria dos dias, pretendemos fugir de locais que cobrem o pernoite, como por exemplo os campings.

Pretendemos pernoitar em campings selvagens, postos de combustíveis, postos policiais, etc. Com isso o valor economizado será considerável.

Com alimentação também pretendemos economizar um pouco mais. Como citado no item anterior, pretendemos cozinhar na maior parte dos dias, o que também contribuirá para reduzir os gastos durante as viagens.

Por outro lado, teremos um custo de combustível muito mais elevado do que nas viagens anteriores (com o Prisma 1.4 ou Classic 1.0), quando ainda não tínhamos a camionete e o Camper. O custo será ainda mais alto pelo fato da nossa camionete ser flex.

Ainda não temos como saber ao certo, mas acreditamos que o aumento do consumo de combustível será compensado pela economia com hospedagem e alimentação.

Claro que economia é sempre bem-vinda, no entanto esse não é um dos objetivos principais de termos adquirido um Camper. Nosso principal objetivo é melhorar a qualidade das nossas viagens, especialmente se conseguirmos suprir as nossas expectativas.

 

  1. Possibilidade de escolher o quintal da nossa casa

Esse item está diretamente relacionado ao nosso grande sonho de ter uma casa sobre rodas! Ter liberdade de estar em lugar legal e, no caso de ser adequado e seguro, pernoitar ali mesmo. Poder olhar pela janela e ver uma paisagem bonita sendo, momentaneamente, o quintal da nossa casa!! E o melhor ainda, poder ir trocando de quintal a cada dia, conforme a nossa vontade ou necessidade.

Nas viagens anteriores a vontade de fazer isso ocorreu em várias oportunidades, mas não era possível. Portanto, essa também é uma grande expectativa nossa!!

Joca e Cassia 36

Um belo quintal! Imagem: acervo Duaron

 

  1. Evitar dirigir à noite

Essa é uma expectativa que está diretamente ligada a nossa segurança durante as viagens. Sempre que possível evitamos dirigir durante à noite. Mas, infelizmente, isso acaba ocorrendo com uma certa frequência. Isso acontece principalmente por termos feitos reservas em hotéis ou para chegar em alguma cidade com melhor infraestrutura para podermos pernoitar.

Com o camper a nossa expectativa é de evitar ao máximo dirigir à noite, especialmente por termos a opção de parar e pernoitar em qualquer lugar que nos ofereça segurança. Como informam as placas de sinalização, viajar de dia, além de mais seguro, é também mais bonito e se aproveita mais a viagem!

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.