Dia 15 (23/02/14) – Bariloche /Argentina –> Puerto Varas/Chile

Entrando no Chile pelo Paso Cardenal Antonio

Hoje acordamos cedinho, tomamos o nosso café da manhã e começamos a nos arrumar as nossas tralhas para carregar o carro. Neste dia nos despedimos da Argentina e partimos em direção a Puerto Varas, no Chile. Ainda antes de pegar a estrada aproveitamos mais um pouquinho a vista do lago no hotel e depois encaramos uma pequena fila para abastecer o carro.

Nos despedindo de Bariloche

Nos despedindo de Bariloche

Nos despedindo de Bariloche

Nos despedindo de Bariloche

Fila para abastecer em Bariloche

Fila para abastecer em Bariloche

Para fazer a travessia das cordilheiras fomos através do Paso Cardenal Antonio Samoré, entre Villa La Angostura (Argentina) e Osorno (Chile).

A travessia no verão é tranquila, mesmo assim deve-se ter cuidado, pois há muitas curvas, subidas e descidas íngremes.

Até logo, Argentina

Até logo, Argentina

Lago Nahuel Huapi

Lago Nahuel Huapi

Ruta 40 entre Bariloche e Villa La Angostura

Ruta 40 entre Bariloche e Villa La Angostura

Ruta 40 entre Bariloche e Villa La Angostura

Ruta 40 entre Bariloche e Villa La Angostura

Lago Nahuel Huapi em Villa La Angostura

Lago Nahuel Huapi em Villa La Angostura

Lago Nahuel Huapi em Villa La Angostura

Lago Nahuel Huapi em Villa La Angostura

Rio Correntoso em Villa La Angostura

Rio Correntoso em Villa La Angostura

Paso Cardenal Antonio Samoré

Paso Cardenal Antonio Samoré

Aduana argentina no Paso Cardenal Antonio Samoré

Aduana argentina no Paso Cardenal Antonio Samoré

Paso Cardenal Antonio Samoré

Paso Cardenal Antonio Samoré

Paso Cardenal Antonio Samoré

Paso Cardenal Antonio Samoré

Cerro Pantojo ao fundo (Piton Volcanico)

Cerro Pantojo ao fundo (Piton Volcanico)

Paso Cardenal Antonio Samoré

Paso Cardenal Antonio Samoré

Paso Cardenal Antonio Samoré

Paso Cardenal Antonio Samoré

Paso Cardenal Antonio Samoré

Paso Cardenal Antonio Samoré

Nós já havíamos feito esta travessia no inverno, em junho de 2009 (clique aqui para maiores detalhes). Na travessia anterior a estrada estava com neve e tivemos que utilizar cadenas. Atravessamos as cordilheiras com muita precaução e com velocidade baixa, afinal de contas foi a nossa primeira experiência com o uso das correntes e uma estrada em que qualquer falha poderia causar um acidente.

As belezas da estrada com neve é indiscutível. Porém, mesmo sem neve, a estrada apresentou belas paisagens. Havia na beira da ruta uma grande quantidade de areia, o que suspeitamos ser as cinzas do Vulcão Puyehue. Ele entrou em erupção em junho de 2011 e cobriu as cidades e estradas da região com as suas cinzas, sendo necessária a sua remoção para a normalização do tráfego.

Na divisão entre a Argentina e o Chile, e também de maior altitude do paso, paramos para tirar algumas fotos e para apreciar as belas paisagens de seus arredores.

Na aduana argentina os trâmites para saída do país foram tranquilos e rápidos. Descemos do carro, aguardamos em torno de uns 15 minutos na fila e, em aproximadamente uns 20 minutos, estávamos liberados para seguir viagem.

Depois de uns 40km chegamos a aduana chilena. Aguardamos em uma fila de carros, os quais eram liberados aos poucos para a entrada na aduana e realização dos trâmites. Aguardamos em torno de uma hora na fila de carros. Após entrar na aduana os trâmites foram realizados rapidamente, demorando no máximo uns 30 minutos (incluindo a revista do carro).

Os agentes aduaneiros do Chile estavam fazendo uma minuciosa revista em todos os carros em busca de produtos proibidos, como carnes, laticínios, produtos de origem vegetal, artesanatos de madeira e drogas. Eles solicitavam que fossem retiradas todas as malas dos carros, as quais eram abertas e revistadas.

No nosso caso, a revista não foi tão minuciosa. Embora tenham aberto e revistado todas as malas, não olharam o baú de teto e o interior do carro. Quando abriram a porta do carro para fazer a revista, viram as crianças e desistiram. O fato de não serem tão detalhistas serviu para pouparmos tempo e sermos liberado mais rapidamente, até porque não estávamos levando nenhum produto que não fosse permitido na travessia. Sempre que vamos atravessar alguma fronteira procuramos não comprar produtos que não sejam permitidos ou procuramos consumi-los antes, no caso de produtos alimentícios. Se porventura não for possível jogamos o que tivermos no carro fora para evitar incomodações.

Nesse paso é preciso ficar atento ao horário de funcionamento destas aduanas, pois elas não funcionam durante 24h e possuem horários diferenciados no verão e inverno. Os horários de funcionamento da aduana é das 8 às 20h no verão e das 8 às 19h no inverno.

Altitude do Paso Cardenal Antonio Samoré: 1321m

Altitude do Paso Cardenal Antonio Samoré: 1321m

Entrando no Chile pelo Paso Cardenal Antonio

Entrando no Chile pelo Paso Cardenal Antonio

Fila na aduana chilena

Fila na aduana chilena

Fila na aduana chilena

Fila na aduana chilena

Horário de atendimento da aduana chilena

Horário de atendimento da aduana chilena

Revista dos carros na aduana chilena

Revista dos carros na aduana chilena

Ruta CH 215

Ruta CH 215

Seguimos viagem até o encontro da ruta 5, seguindo pela mesma no sentido sul. A 40km de Puerto Varas já é possível avistar da estrada o imponente Vulcão Osorno.

Um dos diversos pedágios da ruta 5

Um dos diversos pedágios da ruta 5

Da ruta 5 já é possível avistar o imponente Vulcão Osorno

Da ruta 5 já é possível avistar o imponente Vulcão Osorno

Chegando em Puerto Varas fomos direto para o hostel da rede Hola que havíamos previamente feito a reserva: o Compass del Sur. Este hostel já havia nos impressionado pela sua organização desde a reserva que realizamos via e-mail, através do qual nos foi dada várias instruções para a efetivação da mesma. Após chegarmos para fazer o check-in, somente permitiram que tivéssemos acesso ao quarto após apresentar os documentos de identidade e cartão migratório de todos nós.

A atendente fez cópia de todos os documentos e, após fazer o registro no livro, nos apresentou todos os ambientes do hostel e informou as regras e horários de check-out, café da manhã e uso da cozinha. Somente após está apresentação do local e de suas regras fomos liberados para utilizar o nosso quarto.

O lugar nos pareceu muito organizado e com regras bastante rígidas para a utilização de seus ambientes, mantendo assim a harmonia entre os serviços prestados pelo hostel e a utilização dos seus hóspedes.

Este hostel funciona em uma casa antiga, administrada por uma sueca. O local conta com estacionamento, wi-fi, café da manhã, cozinha (muito bem equipada, limpa e organizada para a utilização dos seus hóspedes) e lavanderia, além de outros serviços.

Nós reservamos três dias, sendo o primeiro com banheiro privativo e os demais com banheiro compartilhado.

Gostamos muito do quarto que ficamos no primeiro dia. A casa é antiga, mas esse quarto foi todo reformado com materiais de qualidade e bom acabamento. É tudo simples, porém limpo e organizado.

Não há TV no quarto, somente na sala de estar (uso comum por todos os hóspedes). Para nós esta não é uma necessidade, pois praticamente utilizamos os hotéis somente para descansar e sempre temos bastante trabalho organizando as crianças para dormir e também postando notícias sobre a viagem no blog e facebook, entre outras atividades. Quanto ao Felipe, quando não há TV disponível, ele se distrai com o tablet e com seus brinquedos.

Após nos instalarmos, saímos para jantar. Nos chamou a atenção o fato de que embora Puerto Varas seja uma cidade turística e ainda esteja em período de alta temporada, por volta de 22h da noite a movimentação no centro da cidade diminui consideravelmente. Foi difícil até mesmo encontramos um local para jantar.

Preço do combustível no Chile

Preço do combustível no Chile

Pôr do sol no Lago Llanquihue (Puerto Varas/Chile)

Pôr do sol no Lago Llanquihue (Puerto Varas/Chile)

Em relação as estradas entre Bariloche e Puerto Varas. As rutas RN237, RN40 e RN231, do lado argentino, estão em estado muito bom, com apenas algumas poucas imperfeições em alguns trechos.

A ruta CH 215, do lado chileno, inicia com alguns poucos quilômetros em estado regular. Logo que passa a aduana chilena o estado da estrada passa ser impecável. Os últimos 20km desta mesma ruta, antes de chegar a ruta 5, está deteriorado, mas já há obras na estrada para a reforma da mesma.

A ruta 5 é em pista dupla. Como já era esperado, está em perfeito estado e há também muitos pedágios. A velocidade máxima permitida é de 120km/h. Neste trecho da viagem pela ruta 5, passamos por dois pedágios, um de 2000,00 pesos chilenos e outro de 500,00. Este último é mais barato por ser o pedágios da pista secundária de acesso à Puerto Varas.

 

 

Procurando onde se hospedar em Puerto Varas? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

bookinglogo_big

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *