Dia 02 (23/12/14) – Santiago/RS/Brasil –> Presidencia Roque Saenz Pena/Argentina

Acordamos e fomos tomar o nosso café da manhã. O café oferecido pelo Hotel São João é estilo americano e é praticamente um café colonial tamanha a variedade de alimentos que são oferecidos. Para citar alguns, há uma grande variedade de pães, bolos, tortas, ovos mexidos, frios, leite, café preto, chá e sucos. Clique aqui para mais informações sobre o hotel.

DSC_8432

Buffet do café da manhã do Hotel São João

Após tomarmos nosso café levamos as crianças para aproveitar um pouquinho a pracinha do hotel para posteriormente seguir viagem.

DCIM100GOPRO

Pracinha na área externa do hotel

DSC_8447

Pracinha na área externa do hotel

DSC_8450

Pracinha na área externa do hotel

DSC_8473

Pracinha na área externa do hotel

Depois de deixarmos o hotel seguimos rumo a Presidencia Roque Saenz Pena na Argentina. Nosso roteiro foi: Santiago->(BR287)->São Borja->Aduana/Ponte->Santo Tome->(RN14)->Gobernador Ingeniero Valentin Virasoro->(RN120)->(RN12)->Ituzaingo->Corrientes-Resistencia->(RN16)->Presidencia Roque Saenz Peña. Percorremos 751km neste dia.

Praticamente todas as estradas que percorremos no dia de hoje estão em bom estado. Só há um movimento maior de veículos aos arredores de Corrientes e Presidencia Roque Saenz Pena.

No dia de hoje, a viagem foi bem tranquila. A temperatura continuou amena e agradável para viajar.

 

Saindo de Santiago, em poucos quilômetros já estávamos em São Borja. Demos uma parada na cidade para trocar alguns Reais por Pesos Argentinos. Perguntamos em um posto de combustível, na entrada da cidade, sobre qual o melhor lugar para fazer o câmbio. Nos indicaram uma pessoa da confiança deles, o qual já foi funcionário do posto. Eles mesmos ligaram para que ele fosse até onde estávamos para fazer a operação.

DSC_8480

Chegando a São Borja/RS

DSC_8477

Chegando a São Borja/RS

Geralmente fazemos saques diretamente nos caixas eletrônicos da Argentina. No entanto, atualmente, a cotação oficial está totalmente distorcida e não vale a pena fazer mais isso (ou mesmo usar o cartão de crédito ou débito). Portanto fazer câmbio na Argentina (ou em algum lugar próxmo a fronteira) é uma boa maneira de economizar dinheiro (veja a dica completa aqui).

Na cotação oficial era R$1,00 para AR$3,10. Conseguimos R$1,00 para AR$4,00. Ouvimos relatos de pagarem até mesmo AR$5,00 na fronteira Foz do Iguaçú/Puerto Iguazu e em Buenos Aires.

Após fazermos o câmbio fomos realizar os trâmites de entrada na Argentina. O processo foi super rápido e tranquilo, pois não haviam filas. Além disso, não foi realizada a revista do carro.

Como estava próximo ao horário do almoço, aproveitamos para comer no restaurante que está localizado próximo à aduana. Eles servem, além de lanches, buffet livre e da balança.

DSC_8483

Aduana em São Borja/RS

DSC_8482

Aduana em São Borja/RS

No trecho que percorremos hoje, há um bom número de postos de combustíveis. O mapa para GPS do projeto Mapear aponta todos os radares dispostos neste caminho.

Há uma boa cobertura de telefonia celular durante todo o trecho percorrido no dia de hoje.

Passamos ilesos a famosa corrupção policial de Corrientes. A polícia Caminera aborda os turistas antes da ponte sob o Rio Parana.

Passamos por 4 praças de pedágio. Junto a aduana em Santo Tome (fronteira com o Brasil) há um pedágio que nos cobrou incríveis R$32,00 (para os incrédulos: trinta e dois reais). Nos demais pedágios pagamos 9,00, 4,50 e 7,00 pesos argentinos.

DSC_8484

DCIM100GOPRO

As crianças se comportaram bem hoje. Para isso, além de levar motivos para entretê-las, fizemos paradas sempre que foi necessário para atender as necessidades delas. Mesmo assim, aproveitamos sempre que elas estão dormindo ou tranquilas para fazer a viagem render. Deste modo, conseguimos viajar um trecho de aproximadamente 400km sem parar! Foi um recorde! Mas, de vez em quando acontece e nós aproveitamos!

DCIM100GOPRO

Felizes viajando de carro

Em Saenz Peña não tínhamos reserva de hotel. Chegando na cidade fomos procurar uma opção de hospedagem indicada pelo GPS. Previamente tínhamos visto algumas opções pela internet, mas decidimos ir no mais próximo e de mais fácil acesso.

Desta forma fomos parar no Hotel Internacional. O hotel é bem ruim, mas estávamos cansados e resolvemos ficar por lá mesmo (que arrependimento!), já que tinha facilidade em relação ao estacionamento. A garagem é localizada ao lado do hotel e é de fácil acesso. Além disso, o estabelecimento possui ar condicionado, ventilador, TV, wi-fi e café da manhã. Os banheiros não são bons pois, são muito pequenos e daqueles que ficam com todo o piso molhado após o banho. Outro ponto negativo foi o fato do nosso quarto (e todos os demais) apresentar cheiro forte a cigarro. Não há quartos destinados a não fumantes. Pedimos para trocar e o outro quarto estava em condições um pouquinho melhores (possuia um forte cheiro de tinta que mascarava o cheiro de cigarro) além de ser um pouco mais amplo. Obviamente não indicamos se hospedar por lá.

O hotel é bem central. Desta forma, após nos acomodarmos fomos dar uma volta para sacar dinheiro e depois jantar.

A temperatura estava bem agradável e saímos a pé. Após caminharmos algumas quadras já estávamos no centro da cidade. Nos surpreendeu o agito na cidade. Chegamos por volta das 21h e havia muito movimento na zona central, praticamente todo o comércio estava aberto. Mesmo às 22h ainda haviam algumas lojas e supermercados abertos e até mesmo um passeio com trenzinho infantil estava sendo realizado. Na praça tinha algumas bancas de artesanato, além de estar sendo encenado o nascimento de Jesus.

Como achamos que tínhamos poucos pesos argentinos, em nosso breve passeio aproveitamos para tentar tirar dinheiro em um caixa eletrônico. Novamente encontramos dificuldade em sacar com cartão de débito do banco Itaú (cartão da conta corrente). Encontramos duas redes de caixas eletrônicos: a Link e a Banelco. Mesmo em uma mesma rede tem uns caixas que aceitam e outros não. Neste dia acabamos conseguindo sacar com um cartão do Banco Brasil que utilizamos em caso de necessidade.

Após o saque retornamos para o hotel.

 

Procurando onde se hospedar? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

 

 

Tem interesse em efetuar uma reserva? Antes de reservar a sua hospedagem utilize os links do Booking do nosso blog ou fanpage e colabore conosco! Não há nenhum acréscimo de valor e nós ganhamos uma pequena comissão por cada reserva efetuada que irá auxiliar na manutenção do nosso blog.

 

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

Paisagens do Uruguai

Dia 24 (04/03/14) – Concordia/Argentina –> Pelotas/Brasil

Hoje é o nosso último dia de viagem. Estamos com vontade imensa de continuar viajando e ao mesmo tempo uma pressa danada de chegar em casa. Embora o nosso desejo seja de viajar mais, infelizmente não temos este tempo disponível. No entanto, qualquer viagem de 2, 7, 20, 30 ou mais dias, deixa marcada em nossa memória a lembrança de bons e proveitosos momentos que vivemos. Isto não tem preço! Pode durar pouco tempo, mas as recordações ficam para toda a vida!

Por outro lado, quando chega no final da viagem, quando sabemos que o próximo destino é a nossa casa, começa dar aquela vontade de chegar logo. Este sentimento não é a toa, pois a grande maioria das pessoas consideram este o melhor lugar no mundo e, para nós, não é diferente. É para casa que todos querem retornar bem e, até mesmo, melhor do que quando partimos. Na verdade é como se fosse um ciclo, pois algum tempo após estarmos em casa, logo já começamos a pensar em planejar o nosso próximo destino… Enfim, coisas de viajantes, coisas de quem adora viajar!

Acordamos cedo para tomar o nosso café da manhã e curtir um pouquinho da infraestrutura do hotel com as crianças. Praticamente o único ponto negativo que identificamos neste hotel foi no café da manhã. O café da manhã em si é bom, pois são servidos pães (tem torradeira disponível), cereais, medialunas, leite, iogurte, suco natural, geleias, margarina, etc. No entanto, havia apenas uma funcionária para organizar o salão, atender os hóspedes e repor os alimentos na mesa. Por este motivo os alimentos estavam sempre faltando e tínhamos que ficar aguardando que a mesa do café fosse reabastecida. No horário que fomos tomar café o salão estava cheio e, neste momento, deveria ter mais um funcionário para melhorar o atendimento.

O dia estava quente, ensolarado e muito bonito. Fomos então aproveitar um pouquinho o ambiente externo do hotel com as crianças antes de fazer o check-out.

Curtindo um pouquinho a infraestrutura do hotel

Curtindo um pouquinho a infraestrutura do hotel

Nossa lindinha

Nossa lindinha

Belo dia de sol para brincar

Belo dia de sol para brincar

Viagem em família

Viagem em família

Viagem em família

Viagem em família

Viagem em família

Viagem em família

Viagem em família

Viagem em família

Kidding!

Kidding!

Infraestrutura do Hotel Azahares del Ayui em Concórdia

Infraestrutura do Hotel Azahares del Ayui em Concórdia

Infraestrutura do Hotel Azahares del Ayui em Concórdia

Infraestrutura do Hotel Azahares del Ayui em Concórdia

Após isto seguimos viagem rumo a Pelotas. Na saída de Concordia passamos pela Represa Hidroelétrica Binacional de Salto Grande. Cruzamos por sobre a represa na Ponte Internacional rodo-ferroviária que liga as cidades de Salto (Uruguai) e de Concordia (Argentina). Não paramos na represa, apenas tiramos algumas fotos de dentro do carro e demos continuidade a nossa viagem.

Concórdia/Argentina

Concórdia/Argentina

Em seguida fizemos os trâmites para registrar a nossa saída da Argentina e entrada no Uruguai. Da mesma forma como na ida, quando passamos também por aqui, os trâmites ocorreram de forma rápida e, em seguida, fomos liberados.

Aduana integrada Argentina/Uruguai

Aduana integrada Argentina/Uruguai

Represa Hidroelétrica Binacional de Salto Grande

Represa Hidroelétrica Binacional de Salto Grande

Represa Hidroelétrica Binacional de Salto Grande

Represa Hidroelétrica Binacional de Salto Grande

Ponte Internacional rodo-ferroviária

Ponte Internacional rodo-ferroviária

Represa Hidroelétrica Binacional de Salto Grande

Represa Hidroelétrica Binacional de Salto Grande

Viajando em família

Viajando em família

Pequeno trecho não asfaltado da rodovia no Uruguai

Pequeno trecho não asfaltado da rodovia no Uruguai

Condições razoáveis das estradas no Uruguai

Condições razoáveis das estradas no Uruguai

Pampas uruguaios, tão belos como os do Rio Grande do Sul

Pampas uruguaios, tão belos como os do Rio Grande do Sul

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Paisagens do Uruguai

Na fronteira do Uruguai com o Brasil, na cidade de Artigas, paramos rapidamente para visitar os freeshops. Após realizamos os tramites para registrar a nossa saída do país. Os tramites foram realizados de forma rápida e somente o Alexandre precisou se apresentar na aduana, munido com a documentação de nós todos.

Chegando a fronteira Artigas/Quaraí

Chegando a fronteira Artigas/Quaraí

Artigas/Uruguai

Artigas/Uruguai

Enfim, de volta ao Brasil

Enfim, de volta ao Brasil

Aduana Uruguaia

Aduana Uruguaia

Aduana Uruguaia

Aduana Uruguaia

A 15km de Santana do Livramento, passamos pelo Parque Eólico Cerro Chato.

Pampas gaúchos

Pampas gaúchos

Parque Eólico Cerro Chato

Parque Eólico Cerro Chato

Pertinho de casa

Pertinho de casa

Pertinho de casa

Pertinho de casa

Já no outro dia: hora de lavar o carro (em família)

Já no outro dia: hora de lavar o carro (em família)

Viajando de carro!

Dia 23 (03/03/14) – Villa María/Argentina –> Concordia/Argentina

Hoje seguimos rumo a Concordia/Argentina para o nosso penúltimo dia de viagem. Estes últimos dias na estrada acabam se tornando um pouco cansativos, pois as férias estão acabando e começa dar aquela vontade de chegar logo em casa.

2014-03-03-10-18-20-Foto-2983 2014-03-03-10-19-51-Foto-2985

Após tomarmos o nosso café da manhã no hotel, pegamos a estrada já no finalzinho da manhã.

Partindo de Villa Maria, para chegar a Concordia pega-se a AU9 até Rosario. Depois segue-se pela RN174 até Victoria, onde toma-se a RP26 até Nogoya, Neste ponto toma-se a RN12, e então a RN6 até o encontro com a RN18. Pela RN18 segue-se no sentido leste até a RN14. Toma-se a RN14, em sentido norte, até Concordia.

Felipe e seu passatempo predileto

Felipe e seu passatempo predileto

Tempo ruim pela frente

Tempo ruim pela frente

A ruta AU9 entre Villa María e Rosario é toda duplicada. Somente os últimos 40km antes de Rosario, logo após o pedágio, a estrada está deteriorada com alguns buracos, mas mesmo assim é possível andar a 110km/h. A velocidade máxima em toda a autopista é de 130km/h. Neste trecho não há postos de combustíveis ou qualquer outro tipo de infraestrutura próximo a autopista. Para abastecer ou se alimentar é necessário entrar em uma das cidades no caminho. Recomendamos sair de Villa María com o tanque cheio.

A RP 26 está em estado muito bom, com fluxo alto de veículos, provavelmente por causa do feriado. A RN 12 está em bom estado. A RP 6 está em bom estado, mas com sinalização ruim e alguns poucos buracos. A RN 18 o estado é muito bom até San Salvador com movimento médio de veículos e em obras para ser duplicada. A partir de San Salvador até o entroncamento com a RN 14 a pista esta afundada, cheias de remendos mal feitos e com alguns buracos. A pista em sentido contrário está em condições piores, pois os remendos já se soltaram.

Passamos por Rosario e atravessamos a bela ponte Nuestra Señora del Rosario que cruza o Rio Paraná.

Ponte Nuestra Señora del Rosario sobre o Rio Paraná

Ponte Nuestra Señora del Rosario sobre o Rio Paraná

Viajando de carro!

Viajando de carro!

A temperatura estava amena e o tempo um pouco chuvoso, porém nada que atrapalhasse ou dificultasse a viagem.

A ruta 174, entre Rosario e Vcitoria, passa por uma região alagada, onde pode-se tirar algumas boas fotos. Pena que o tempo estava nublado.

Viajando de carro!

Viajando de carro!

Reservamos, em Concordia, o hotel Azahares del Ayui através do Booking.com. O local é um pouco afastado do centro da cidade e, por este motivo, um pouco antes de chegarmos a Concordia paramos para abastecer o carro e aproveitamos para jantar.

Nós ficamos hospedados em uma cabana grande com capacidade para cinco pessoas. Como era feriadão de carnaval, quando fizemos a pesquisa no site, havia pouca disponibilidade de hospedagem. Devido a isto tivemos que reservar esta cabana maior. O local é bem amplo, limpo e organizado. A cabana que ficamos possuia três camas de solteiro (uma delas é auxiliar), quarto de casal com ventilador e ar condicionado, banheiro com banheira, churrasqueira na área externa e cozinha com itens básicos. O pátio é bem amplo, todo gramado e possui piscina com chafariz e playground. O local conta com estacionamento, café da manhã e wi-fi.

Onde estamos: Concordia/Argentina

Onde estamos: Concordia/Argentina

Seguindo para Villa María/Argentina

Dia 22 (02/03/14) – Mendoza/Argentina –> Villa María/Argentina

Acordamos após uma noite muito mal dormida, pois a porta do quarto do hostel deixava passar muita luminosidade para o interior do quarto. Isto fez com que o Felipe tivesse muita dificuldade para dormir, pois ele precisa que o ambiente esteja escuro. Nossa sorte que, além da cama de casal, havia um beliche no quarto. Assim tivemos a brilhante ideia de fazer um tipo de barraquinha na cama debaixo. Desta forma o Felipe ficou no escuro e finalmente pegou no sono.

Após arrumarmos a nossa bagagem seguimos viagem rumo a Villa Maria. Hoje já é o nosso terceiro dia do percurso de retorno. Depois de amanhã finalmente chegaremos em casa!

Para chegar a Villa María, pega-se a ruta RN 7 até Villa Mercedes, passando por San Luis. Depois pega-se a ruta RN8 até Rio Cuarto, passando por Sampacho. Depois pega-se a RN158 até Villa María, passando por General Cabrera e General Deheza.

Seguindo para Villa María/Argentina

Seguindo para Villa María/Argentina

A ruta RN7 está em muito bom estado e é toda duplicada neste trecho. Somente havia um maior tráfego de veículos próximo a Mendoza. Daí em diante, tanto a RN7 como as demais rutas, todas em bom estado e em pista única, apresentavam pouco movimento de veículos.

Há um bom número de postos pelo caminho, apesar de que, em alguns trechos, a distância entre os mesmos seja maior do que 100km.

Há 4 pedágios desde Mendoza até Villa María, totalizando PA$ 31,00.

Chuva pela frente

Chuva pela frente

Chegando em Villa María, achamos estranho um grande movimento de pessoas e policiais na entrada da cidade. Pensamos que estava se tratando de uma festa ou algum evento. Quando chegamos ao hotel (Vito Hotel), reservado previamente por meio do Booking.com, fomos informados que parte da cidade havia sido inundada devido as fortes chuvas dos últimos dias. Em virtude disso algumas famílias estavam sendo removidas de suas residências. Veja aqui a reportagem sobre os alagamentos.

Gostamos do hotel. Tem ar condicionado, ventilador, wi-fi e café da manhã. O hotel não possui estacionamento próprio e não haviam vagas na garagem mais próxima. Queríamos procurar um outro estacionamento, porém a atendente garantiu que era bastante seguro deixar o carro na frente do hotel e que havia um vigia. Como sempre tiramos todas as coisas de valor e deixamos o carro estacionado bem em frente a porta do estabelecimento.

Preço do combustível na Argentina

Preço do combustível na Argentina

Onde estamos: Villa María/Argentina

Onde estamos: Villa María/Argentina

Os famosos Los Caracoles

Dia 21 (01/03/14) – Los Andes/Chile –> Mendoza /Argentina

Hoje foi o dia que nos despedimos do Chile. Fechamos a nossa estada neste país com chave de ouro após a hospitalidade com que fomos recebidos no Hotel Génova pelo Andres, sua esposa Carolina e seus pais.

Após o nosso café da manhã, arrumamos a nossa bagagem e partimos a rumo a fronteira com a Argentina onde atravessamos a Cordilheira dos Andes pelo Paso Internacional Los Libertadores. O paso também é chamado de Cristo Redentor e é famoso pelo local chamado de “Los Caracoles”, que é local onde a estrada faz um zigue-zague subindo 670m pela Cuesta Juncal na Cordilheira dos Andes.

O dia iniciou com sol e temperatura amena, mas conforme nos aproximávamos da fronteira, o tempo foi ficando nublado, ventoso e frio.

Onde estamos: Los Andes/Chile

Onde estamos: Los Andes/Chile

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 60/Chile (Paso Internacional Los Libertadores)

Atravessando as Cordilheiras dos Andes

Atravessando as Cordilheiras dos Andes

Um pouco antes de chegar a Los Caracoles passamos por um controle de fronteira onde informamos quantas pessoas estavam viajando e nos deram um pequeno papel que deveríamos entregar na aduana.

Em seguida chegamos as famosas curvas da estrada, onde conseguimos fazer uma travessia bastante tranquila. É a nossa segunda travessia neste paso, mas o lugar é tão incrível que não tem como não se encantar, mesmo que pela segunda vez. Paramos para contemplar o local como se fosse nossa primeira vez ali! Veja detalhes da nossa viagem anterior neste link.

Os famosos Los Caracoles

Os famosos Los Caracoles

As estradas estavam em obras, porém isso não atrapalhou a nossa travessia e conseguimos parar para fotografar as curvas da estrada em todos os pontos que tivemos vontade. Nestas paradas o clima estava bem frio e ventava bastante. Nem quisemos tirar a Isabela do carro. Descemos somente o Felipe, pois ele queria muito ver a estrada. Contemplamos um pouco a beleza do lugar, tiramos algumas fotos e seguimos viagem.

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Filas no Paso Internacional Los Libertadores devido a manutenção da estrada

Quando passamos pela aduana de entrada no Chile (em sentido contrário) a fila de carros era imensa! Com certeza todos aqueles viajantes iriam passar um bom tempo até conseguirem realizar todos os tramites e fazer a travessia do paso.

Fila também para quem estava entrando no Chile

Fila também para quem estava entrando no Chile

Conforme avançávamos a viagem o tempo ia piorando, chegando até mesmo cair alguns pequenos flocos de neve. Nem precisamos dizer que fora do carro o frio era intenso. Não esperávamos pegar este clima nesta época do ano, passamos neste paso durante o inverno (junho de 2009) e o clima estava bem mais ameno do que nesta ocasião. Por precaução levamos até as cadenas para as rodas e quase que precisamos utilizá-las.

Passamos pelo pedágio próximo ao Cristo Redentor, onde pagamos 3300 pesos chilenos. Logo em seguida chegamos ao Parque Provincial Aconcágua. Compramos as entradas, 20 pesos argentinos por pessoa, e seguimos até o estacionamento do parque. Como fazia muito frio somente o Alexandre se aventurou em fazer o Circuito Laguna de Horcones.

Túnel Cristo Redentor

Túnel Cristo Redentor

2014-03-01-14-16-57-Foto-2936 2014-03-01-14-18-04-Foto-2940 2014-03-01-14-20-31-Foto-2799 2014-03-01-14-24-15-Foto-2754

Parque Provincial Aconcagua

Parque Provincial Aconcagua

Mulas retornando do acampamento base do Aconcagua/Parque Provincial Aconcagua

Mulas retornando do acampamento base do Aconcagua/Parque Provincial Aconcagua

Helicóptero de resgate no Parque Provincial Aconcagua

Helicóptero de resgate no Parque Provincial Aconcagua

Laguna de Orcones/Parque Provincial Aconcagua

Laguna de Orcones/Parque Provincial Aconcagua

Parque Provincial Aconcagua

Parque Provincial Aconcagua

Laguna de Orcones/Parque Provincial Aconcagua

Laguna de Orcones/Parque Provincial Aconcagua

Estacionamento do Parque Provincial Aconcagua

Estacionamento do Parque Provincial Aconcagua

A Rosângela, Felipe e Isabela se enrouparam e ficaram aguardando no quentinho, dentro do carro. Na nossa viagem anterior, em junho de 2009, já tínhamos visitado este parque e, na ocasião, mesmo sendo inverno, não estava tão frio como neste dia. Este é mais um exemplo de que o clima é sempre imprevisível e temos que estar sempre preparados!

Após a visita, encontramos uma família de brasileiros, que eram gaúchos de São Leopoldo, viajando de carro. Conversamos um pouco com eles, os quais estavam bem animados e viajavam em direção ao Chile. Eles pretendiam visitar Viña del Mar e Valparaíso, entre outras cidades. Apesar se ser o finalzinho da nossa viagem, foram os primeiros viajantes brasileiros de carro que encontramos. Para nós estes encontros são bem legais e já nos faz matar um pouquinho da saudade de casa.

Logo em seguida, chegamos nas aduanas para fazer a saída do Chile e a entrada na Argentina, pois as aduanas são integradas e os trâmites são feitos no mesmo local. Tome cuidado para não passar reto pela a aduana, pois há apenas uma placa indicando o desvio e não vimos nenhum tipo de barreira na estrada. Se bobear, se passa direto!

Ao chegar na aduana entramos em um fila de carros que não era muito grande. Para nossa surpresa encontramos mais um carro de um casal de viajantes gaúchos de Novo Hamburgo na fila. Fomos conversar com eles que, como nós, estavam retornando para casa e também iriam pernoitar na cidade de Mendoza. Durante todo o período que aguardamos para fazer os trâmites, ficamos conversamos com o casal de brasileiros que, como nós, já haviam feito várias viagens de carro para a Argentina anteriormente. No entanto era a primeira viagem que eles fizeram até o Chile.

O sistema desta aduana é bem interessante. Os policiais organizam uma fila de carros, que vão sendo chamados por ordem para entrar em um prédio, parecido com uma grande garagem. Deste modo, não há necessidade de sair do carro para realizar os trâmites. Há guichês na altura da janela do carro e você pode fazer boa parte do processo sem sair do carro. Somente é necessário descer durante a revista no carro, quando é necessário acompanhar o agente aduaneiro.

Embora a fila não estivesse muito grande, o tempo de espera nesta aduana foi de cerca de 1h e 30min. Apesar da demora, achamos este sistema muito mais prático, pois se tivéssemos que ficar todo este tempo em pé na fila seria bem mais complicado e, sem dúvidas, cansativo.

Quando o agente estava revistando o porta malas do carro, sentiu cheiro de banana e perguntou se estávamos levando frutas. Na verdade havíamos acabado de comer as frutas e havia ficado o cheiro. Ele também nos perguntou se havíamos feito compras que necessitassem ser declaradas. Informamos que não e a revista seguiu bem tranquila. Vimos que na revista dos outros carros todos os produtos de origem vegetal estavam sendo apreendidos.

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Aduana integrada do Paso Internacional Los Libertadores (já no lado Argentino)

Alguns quilômetros após a aduana chega-se a Puente del Inca, onde paramos para comer alguma coisa. Saímos um pouco do carro, fotografamos a ponte e logo voltamos por causa do frio. Compramos um lanche (que custou bem caro) e comemos no carro.

Puente del Inca

Puente del Inca

O tempo estava bem ruim. Além de frio, estava chuvoso e ventoso. Estamos no final de nossa viagem e este foi o primeiro dia que o mal tempo realmente nos atrapalhou um pouco. As paisagens entre Los Andes e Mendoza são muito lindas, mas infelizmente o tempo ruim prejudicou um pouco e não podemos aproveitar a viagem como gostaríamos.

Ruta 7 (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 7 (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 7 (Paso Internacional Los Libertadores)

Ruta 7 (Paso Internacional Los Libertadores)

Uspallata/Argentina

Uspallata/Argentina

Onde estamos: Mendoza/Argentina

Onde estamos: Mendoza/Argentina

Chegando em Mendoza fomos direto ao hostal que havíamos efetuado a reserva através do Booking.com. Havíamos reservado o Hostal Quinta Rufino. Logo após fazer o check-in já percebemos que não foi uma boa escolha. O estacionamento é em fila, quando o primeiro carro precisa sair, os demais tem que ser retirados. No entanto, a atendente informou que não seríamos incomodados para retirar o nosso carro até o horário do check-out. Para entrar com a nossa bagagem no hostal foi um verdadeiro desafio, uma vez que o acesso passava pelo estacionamento. A garagem era tão estreita que, mesmo sem as bagagens, tínhamos que passar espremidos contra a parede. Havia uma outra entrada, mas pelo que podemos perceber, não era muito utilizada.

Além disso, o local não nos agradou de uma forma em geral. As fotos que foram colocadas no booking não condizem com a realidade do local. As condições do quarto e do banheiro são um pouco precárias. O quarto fica iluminado a noite inteira, pois a uma janela sem cortina sobre a porta. O chuveiro é daqueles que molha todo o piso do banheiro. A limpeza do hostal também é um pouco duvidosa. Enfim, não nos agradou e não recomendamos este hostel. Saímos para comer em um restaurante próximo ao hotel e retornamos para dormir.

 

Procurando onde se hospedar em Mendoza? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

 

 

Tem interesse em efetuar uma reserva? Antes de reservar a sua hospedagem utilize os links do Booking do nosso blog ou fanpage e colabore conosco! Não há nenhum acréscimo de valor e nós ganhamos uma pequena comissão por cada reserva efetuada que irá auxiliar na manutenção do nosso blog.

 

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.

Cordilheira dos Andes vista desde a ruta 5

Dia 20 (28/02/14) – Temuco/Chile –> Los Andes /Chile

Hoje começamos a retornar ao Brasil. Levaremos cinco dias para chegar em casa. Por causa das crianças, o máximo que pretendemos percorrer por dia são 700Km e, mesmo assim, já é uma quilometragem alta. Levamos praticamente um dia inteiro para cumprir percursos desta extensão.

Paramos para almoçar em um restaurante na beira da estrada chamado En Borde Rio. Gostamos muito e consideramos uma ótima opção. Além da comida ser boa a sua área externa é muito agradável para descansar alguns minutos e ainda tem parquinho para as crianças se divertirem.

Durante este trajeto também há vários postos de combustíveis Copec Pronto que também é uma ótima opção de parada para “esticar as pernas” e a maioria também tem brinquedos para as crianças.

Paradinha para o almoço

Paradinha para o almoço

Paradinha para o almoço

Paradinha para o almoço

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Cerca de 200Km antes de chegar a Santiago já é possível avistar as Cordilheiras dos Andes a partir da estrada.

Cordilheira dos Andes vista desde a ruta 5

Cordilheira dos Andes vista desde a ruta 5

Ruta 5

Ruta 5

Ruta 5

Ruta 5

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Posto de combustível da rede Copec Pronto

Cordilheira dos Andes vista desde a ruta 5

Cordilheira dos Andes vista desde a ruta 5

Para atravessar Santiago e chegar a Los Andes foi bem tranquilo. Seguimos a indicação do GPS Garmin, utilizando o mapa do projeto Mapear, e deu tudo certo.

Devido a cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago/Chile é necessário adquirir o Pase Diário Único (PDU). Veja mais informações sobre o assunto clicando aqui. O sistema automatizado começa a aproximadamente 30km antes de Santiago.

Pase Diário Único (PDU) necessário devido a cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago/Chile

Pase Diário Único (PDU) necessário devido a cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago/Chile

Cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago

Cobrança automatizada de pedágios nas autopistas de Santiago

A viagem neste dia foi bem tranquila. Viajar em uma via duplicada e de excelente qualidade faz qualquer viagem fluir muito bem. Paramos em alguns trechos para descansar e almoçamos em um restaurante de comida caseira na beira da estrada.

Chegando em Los Andes, nosso último destino no Chile, fomos direto ao Hotel Génova que previamente fizemos a reserva através do Booking.com. Este hotel é uma ótima opção e fomos muito bem recepcionados. O local conta com ventilador, TV LCD, wi-fi, café da manhã e estacionamento. O ambiente é muito familiar, agradável, limpo e organizado.

Após nos acomodarmos, a Carolina, umas das donas do hotel foi ao nosso quarto nos levar um suco. Além disso, foram muito atenciosos conosco, montando um berço para a Isabela dormir e nos indicando um bom local para jantarmos.

Fomos então, a pé, até o restaurante Él Vagon, que fica a algumas quadras do hotel. Gostamos muito, pois além de servir uma comida bastante saborosa, possui uma bela decoração que lembra o vagão de um trem. Depois de jantarmos, voltamos para descansar no hotel.

Restaurante Él Vagon (Los Andes/Chile)

Restaurante Él Vagon (Los Andes/Chile)

 

Procurando onde se hospedar em Los Andes? Clique no logo abaixo e efetue a sua reserva!

 
 

 

Tem interesse em efetuar uma reserva? Antes de reservar a sua hospedagem utilize os links do Booking do nosso blog ou fanpage e colabore conosco! Não há nenhum acréscimo de valor e nós ganhamos uma pequena comissão por cada reserva efetuada que irá auxiliar na manutenção do nosso blog.

 

Encontre o Viajando de Carro nas redes sociais.

Curta a Fanpage do Viajando de Carro no Facebook e acompanhe as notícias sobre todas as viagens que realizamos de carro.

Nos siga no Instagram @blogviajandodecarro e curta as fotografias que tiramos durante as nossas viagens.

Veja as nossas fotografias no Flickr.

Nos acompanhe no Twiter: @viajedecarro.